O proponente e educador popular do Bitcoin, Andreas Antonopoulos, acredita que a atual queda nos preços do petróleo beneficiará alguns mineradores do BTC. Em um vídeo em seu canal no YouTube, ele destacou que as mineradoras na instalação Bitmain, recentemente aberta no Texas, poderiam ser os maiores beneficiários.

Preços do petróleo afetarão mineração BTC

O surto repentino da pandemia do COVID-19 iniciou um efeito dominó nas economias mundiais. Os bloqueios em todo o país – significando menos viagens e movimentos – levaram a menos consumo de petróleo. Ao mesmo tempo, porém, a produção de petróleo continuou com altos níveis.

Por fim, a diminuição da demanda e a grande produção causaram quedas de preços nunca antes vistas, já que alguns futuros, incluindo o WTI, estavam negociando no negativo em determinado momento.

Embora o preço do WTI tenha se recuperado em certa medida desde aqueles dias históricos, os preços do petróleo ainda estão baixos em uma escala macro.

Valor USOIL Tradingview
Fonte: TradingView

Além da gasolina barata, Antonopoulos observou que o efeito não passará pela mineração de Bitcoin. Ele argumentou que o declínio dos preços do petróleo diminuirá os custos de eletricidade em todo o mundo, mas “não igualmente em todo o mundo”. Antonopoulos explicou que a fazenda Bitcoin em Rockdale, Texas, aberta pelo fabricante chinês de chips de computação Bitmain em outubro de 2019, poderia se beneficiar mais.

“Uma das maiores novas operações de mineração foi aberta nos Estados Unidos, no estado do Texas. Não consigo imaginar que isso seja uma coincidência. Provavelmente, tinha muito a ver com o fato de os EUA possuírem 12.000 barris por dia, e é o maior produtor de petróleo do mundo por causa de fracking.

Portanto, pode haver realmente boas oportunidades para energia barata. De repente, isso poderia tornar as mineradoras norte-americanas muito, muito mais competitivas e poderosas. ”

Efeitos em mineiradores chineses

De acordo com o mapa de mineração de Bitcoin recentemente lançado por uma equipe da Universidade de Cambridge, a nação mais populosa do mundo é responsável por 65% do hashrate do Bitcoin.

Hashrate de Bitcoin por países. Fonte: Universidade de Cambridge
Hashrate de Bitcoin por países. Fonte: Universidade de Cambridge

Antonopoulos indicou que as mineradoras chinesas usam principalmente plataformas movidas a usinas de carvão. No entanto, ele acredita que o baixo custo das usinas a gás ou a óleo instará as usinas a carvão a baixarem seus preços também, porque “energia e eletricidade são commodities fungíveis”. Portanto, a queda nos preços do petróleo também pode beneficiar as mineradoras chinesas.

Também é importante notar que a região chinesa Sichuan publicou recentemente uma reforma com o objetivo de auxiliar a mineração de Bitcoin. Planejava utilizar os vastos recursos hídricos da região e as vantagens dos recursos hidrelétricos para reduzir ainda mais os preços da eletricidade.