Apenas 3,5 milhões de bitcoins, cerca de 19% da oferta total, é usado para trading, é o que descobriu um novo estudo da ChainAlysis.

Segundo o relatório, a maior parte dos bitcoins estão sendo guardados como investimento de longo prazo. Ou seja, a estratégia de Buy & Hold está sendo mais adotada do que o Trading, que busca o lucro de curto prazo.

O estudo comenta que dos 18.6 milhões de bitcoins minerados até junho de 2020, aproximadamente 60% desses estão sendo segurados para o longo prazo.

Enquanto isso, aproximadamente 20% da oferta de bitcoins não são movidos a mais de 5 anos, o que o estudo categorizou como “bitcoins perdidos”. A quantidade surpreendentemente ultrapassa o número de bitcoins sendo negociados em bolsas.

Chamá-los de perdidos é apenas uma especulação, e podem muito bem voltarem a inundar o mercado com mais oferta, mas é bastante provável que muitas destas moedas realmente nunca mais se movam, afinal, não foram enviadas para corretoras nem mesmo durante a alta de 2017.

Enquanto isso, a outra fração é utilizada para Trading, majoritariamente por parte das 4 maiores exchanges do mercado. Esse abastecimento que circula as redes é o que determina o preço do bitcoin, além de alimentar o mercado.

O relatório sugeriu que o bitcoin mantido para investimentos de longo prazo pode acabar sendo uma importante fonte de liquidez no mercado, à medida que a criptomoeda se torna mais escassa.