Cointimes
Política

Após proibição do acesso à dólar, Argentina fecha o cerco contra o bitcoin

alberto fernandez e cristina
Após impor taxas e proibições que restringem o acesso ao dólar à população, o governo Argentino adotou medidas para monitorar as compras de bitcoin em todo o seu território. 

A Receita Federal da Argentina (AFIP) anunciou que vai exigir o fornecimento de dados internos de funcionamento de exchanges e companhias que trabalham com a compra e venda de criptomoedas. A ação do órgão governamental visa delimitar o acesso às criptomoedas, uma vez que cada vez mais a população está buscando migrar da moeda fiduciária para outras classes de ativos.

A agência está exigindo que as exchanges forneçam a identificação de todos os clientes e suas respectivas operações/saldo. Junto com isso, as bolsas devem relatar a receita total, bem como os saldos finais de todas as contas à AFIP até o dia 15 de cada mês.

O Governo Argentino vem restringindo o acesso a outras moedas, como o dólar americano, desde setembro do ano passado, quando o acesso ao dólar foi limitado em compras de no máximo $200 ao mês.

A população argentina busca um refúgio seguro para alocar seu capital, devido ao período de espiral inflacionária grave protagonizada.

Os dados apontam que a base monetária argentina cresceu 97,2% nos últimos 2 anos e incríveis 1386,62% nos últimos 10 anos. No último mês, a inflação argentina aumentou em 4,1%, sendo que apenas nos 4 primeiros meses de de 2021 o avanço está em 17,6%, ou 40,7% em 12 meses.

Mesmo com esses dados sendo fornecidos diretamente pelo site do Banco Central Argentino, o atual presidente da Argentina, Alberto Fernández declarou que “se preocupa muito com o aumento dos preços porque é inexplicável”. 

Os cidadãos argentinos enxergam no bitcoin uma última alternativa de depositar valor, com a moeda local se depreciando cada vez mais e a inflação batendo recordes. Enquanto isso, o governo procura condenar seus cidadãos a usarem uma moeda trajada para a destruição.

Com um passado turbulento e crises históricas, como em 2001, os argentinos se acostumaram a ver no dólar um meio de conta mais estável e menos sujeito a contabilidade criativa, como o Peso argentino, cujos índices de inflação já estiveram sob suspeita de fraude em algumas ocasiões.

O fim do ciclo de commodities em 2014 e os custos permanentes com programas sociais e subsídios criados em meio a euforia econômica levaram o governo local a atingir recordes sucessivos de déficit público. Ao contrário do Brasil, entretanto, o país vizinho não possui vedações para que o Banco Central adquira títulos do governo, fazendo do Bacen argentino uma fonte de “caixa” para o governo e elevando a pressão sobre a inflação.

Para se manter atualizado, siga a QR Capital no Instagram e no Twitter.

O conteúdo Após proibição do acesso à dólar, Argentina fecha o cerco contra o bitcoin aparece primeiro em BlockTrends – Blockchain | Investimentos | Economia.

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.

Posts relacionados

Carteira de criptomoedas MathWallet estreita os laços com regulador em território americano

Bruno Haacke
15 de março de 2022

Para se mover pelo país chineses precisam de autorização de aplicativo

Cointimes
23 de março de 2020

Binance não está informando operações de brasileiros à Receita Federal

Gustavo Marinho
10 de fevereiro de 2021
Sair da versão mobile