Cointimes
Altcoins

BC reduz depósitos compulsórios e Bitcoin está mais perto de US$ 100.000 – Resumo de Mercado

preço do bitcoin no Brasil

Nesta última segunda-feira (27) do ano, o Bitcoin (BTC) manteve o nível de preço próximo de US$ 50.000, enquanto Polkadot (DOT) e Cardano (ADA) saltaram quase 8% nas últimas 24 horas, segundo o CoinGoLive.

Confira também no Resumo de Mercado de hoje a redução das parcelas de recursos que os bancos são obrigados a recolher no Banco Central (BC) – os chamados depósitos compulsórios – que fecharão este ano em patamar inferior, em termos relativos, ao de antes da pandemia.

Ranking de Criptomoedas – Fonte: CoinGoLive.com

Bitcoin se mantém em US$ 50 mil

Após um hiato de 24 horas abaixo da temida resistência de US$ 50.000, o bitcoin recupera essa marca com 1,50% de alta em um dia. Acima desse nível, a criptomoeda está mais próxima do alvo em US$ 100.000, muito cobiçado pelos investidores. 

Leia também: Analista da Bloomberg explica por que o Bitcoin vai atingir US$ 100.000 este ano (será?)

Foi há apenas alguns dias – antes do Natal – quando a criptomoeda primária teve problemas perto de US$ 48.000 após tentativas de superar o nível de US$ 50.000. O cenário mudou naquele ponto quando os touros iniciaram uma impressionante subida que resultou finalmente na quebra acima daquele nível.

O Bitcoin continuou subindo nas horas seguintes e chegou perto de US$ 52.000 para sua linha de preço mais alta em mais de duas semanas. Ontem, porém, o BTC perdeu alguns milhares de dólares e voltou a ficar abaixo de US$ 50.000. 

Ainda assim, o ativo recuperou essa linha nas últimas 24 horas ao tocar em US$ 51.000 na manhã de hoje. A partir de agora, o BTC está acima de US$ 50.500, sua capitalização de mercado é de cerca de US$ 960 bilhões e a dominância líquida do ativo sobre o mercado de criptomoedas aumentou para 66%. 

Como o BC regula a oferta e a demanda por crédito 

Os chamados depósitos compulsórios, que são recursos que os bancos são obrigados a recolher no Banco Central (BC), fecharão este ano em patamar inferior, em termos relativos, ao de antes da pandemia.

A queda se deve não apenas às medidas de estímulo adotadas no início da pandemia, mas também por conta do objetivo do BC de diminuir o uso dessa ferramenta. No fim de novembro, os compulsórios representavam 11,2% do agregado monetário M2. Em fevereiro de 2020, representavam cerca de 15%.

Os cálculos foram feitos por Bráulio Borges, economista-sênior da LCA Consultores e pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre). 

Redução dos depósitos compulsórios pelo BC – Fonte: Banco Central e Valor Econômico

Em números absolutos, somavam R$ 455,6 bilhões em 17 de dezembro, acima dos R$ 415,9 bilhões apresentados no fim do ano passado, segundo o BC.

O patamar baixo de compulsórios tem como objetivo servir de colchão de liquidez para o sistema bancário em momentos de crise, e na prática ajudam a regular a oferta e a demanda por crédito. 

Leia também: Moeda desaba 85% desde a criação e você está investindo nela 

Uma das medidas para diminuir o uso dessa ferramenta foi a implantação das Linhas Financeiras de Liquidez (LFL). Operadas pelo BC, são uma nova fonte de recursos para as instituições financeiras. Na prática, os bancos terão de oferecer à autoridade monetária títulos privados como garantia dos recursos, o que pode permitir que operem com volumes menores de compulsórios.

De maneira independente à agenda estrutural, o BC fez diversos cortes de alíquotas de compulsórios durante a pandemia. Ao todo, foram liberados R$ 251,7 bilhões em 2020.

No fim de novembro, parte desses cortes foi revertida, com a elevação da alíquota sobre compulsórios a prazo de 17% para 20%. Ainda assim, o patamar é menor que os 25% que estavam em vigor antes da pandemia.

Cardano e Polkadot saltam quase 8%

A maioria das moedas alternativas imitou o desempenho do BTC recentemente, e as últimas 24 horas são bastante semelhantes. O Ethereum (ETH) caiu para US$ 4.000 ontem, mas um pequeno aumento diário reafirmou sua posição acima desse nível. 

Leia também: Exchanges descentralizadas viram US$ 1 trilhão em volume este ano

Cardano (ADA) e Polkadot (DOT) roubaram o show com aumentos impressionantes de 8%. Consequentemente, o ADA agora está perto de US$ 1,55, enquanto o DOT está acima de US$ 30. 

O resultado das principais altcoins nas últimas 24 horas é o seguinte: Ethereum (+0,44%), Binance Coin (+0,48%), Solana (+1,80%), Ripple (+0,13%), Cardano (+7,80%), Terra (-0,68%), Polkadot (+8,16%), Avalanche (+4,48%), Dogecoin (+0,38%), Shiba Inu (+2,13%) e Polygon (+3,06%). 

De acordo com o CoinGoLive, a capitalização de mercado de todos os ativos cripto aumentou para cerca de US$ 2,5 trilhões nesta segunda-feira. 
Acompanhe as notícias do mercado cripto no grupo do Telegram do Cointimes (acesse) e tenha um ótimo dia de negociações.

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.

Posts relacionados

Aplicativo de coronavírus trava celular e pede resgate em BTC

Cointimes
18 de março de 2020

Binance adiciona IOTA e Binance USD

Gustavo Marinho
23 de outubro de 2019

Preço da Nano sobe mais de 80% em menos de uma hora

Vini Barbosa
16 de março de 2022
Sair da versão mobile