O Bitcoin permanece sendo o ativo que mais se valorizou nos últimos dois meses. Entretanto, tanto o Ibovespa quanto o S&P 500 estão apresentando valorizações próximas ao do Bitcoin, visto que ambos estão recuperados pós-crise do COVID-19 e voltam a ser negociados na mesma faixa de preço do início do ano.

No mercado de criptomoedas, os preços estão se mantendo com uma baixa movimentação, a volatilidade do Bitcoin está abaixo dos 4% há quase três semanas e ainda não houve nenhum grande movimento da criptomoeda, tanto para alta quanto para baixa, no último mês.

O mercado ainda apresenta um sentimento neutro e um volume decrescente, comportamento que é esperado pelo Bitcoin antes de um novo grande movimento. Esse movimento deve ser visto nas próximas semanas, graças ao vencimento de 60% dos contratos de opções em abertos na CME e na Deribit, que historicamente influenciam o preço da criptomoeda.

Mas, apesar do mercado estar estável, nessa última semana foi divulgado um estudo muito positivo para as criptomoedas no longo prazo. A Fidelity Digital Assets realizou uma análise com mais de 800 investidores institucionais sobre investimento no mercado de criptomoedas.

Como resultado, além de apontar os principais riscos e potenciais do mercado de criptomoedas para os investidores institucionais, o estudo revelou que 91% dos investidores pretendem investir ao menos 0.5% do seu portfolio em criptomoedas.

Se você quiser saber mais sobre essa nova tendência de investimento dos investidores institucionais e como isso impactará o mercado de criptomoedas, baixe de graça o Relatório da Mercurius Mondays #03.