Cointimes
Bitcoin

Bitcoin se aproxima de R$ 300 mil enquanto dívidas crescem no mundo

Bitcoin no globo terrestre

Veja quais foram as principais notícias desta manhã de terça-feira e fique informado sobre bitcoin, economia e política.

Bitcoin atinge US$ 50.000 e é capa de grandes jornais

Enquanto no Brasil a criptomoeda se aproxima cada vez mais dos R$ 300 mil, o Bitcoin é capa dos gigantes jornais internacionais Bloomberg e Wall Street Journal. Após a adoção da Tesla de Elon Musk, uma das maiores empresas do mundo, a MasterCard, BNY Mellon e outras empresas estão buscando também uma fatia desse mercado.

Agora foi a vez da Morgan Stanley, empresa global de serviços financeiros com sede em Nova Iorque que revelou a intenção de investir em bitcoin através de uma de suas subsidiárias. “Seja Musk, Mastercard ou Morgan Stanley, o clima, a música e o impulso são impossíveis de ignorar”, disse o sócio-gerente e cofundador da Nexo em Londres Antoni Trenchev à Bloomberg.

E enquanto alguns players da mídia tradicional continuam a atacar o Bitcoin por conta do consumo de energia da mineração, há problemas com essa narrativa conforme explicamos no artigo “Bitcoin bate US$50 mil e está salvando o meio ambiente enquanto isso“.

Dívida cresce em todos os níveis e governos pretendem imprimir muito mais

Em meio a pandemia de coronavírus, agora pela primeira vez as dívidas bancárias superam a metade da renda das famílias brasileiras, especificamente em 51%. O último recorde havia sido de 49,81% em outubro de 2020, e antes da pandemia esse indicador estava em 45,19%.

Bem por conta disso, as conversas sobre a continuidade do auxílio emergencial voltaram à tona tanto em São Paulo quanto no Brasil. De acordo com o Estadão, o prefeito Bruno Covas quer uma prorrogação de 3 meses e uma ampliação de 33% do número de pessoas beneficiadas pela Renda Básica Emergencial, programa que complementa ou substitui o “coronavoucher”.

Em nível federal, o ministro da economia Paulo Guedes quer dispor R$ 30 bilhões para nova rodada do auxílio emergencial, pago em 3 parcelas de R$ 250 para 40 milhões de brasileiros.

Nos Estados Unidos a conversa ainda é mais surpreendente, o objetivo é injetar US$ 1,9 trilhão para aquecer a economia. A proposta ganha força no Congresso americano mesmo com o Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) prevendo uma dívida recorde de 107% do PIB até 2031.

E enquanto a impressão massiva de moeda estatal pode dar a primeira impressão de “alívio financeiro” e impulsiona a popularidade de políticos, ela não produz riqueza. Se trata apenas de uma redistribuição que tende a diluir o poder de compra do dinheiro, e possivelmente aumentando a desigualdade social conforme explica o efeito Cantillon.

É por isso que a economia real está sofrendo enquanto as bolsas podem enxergar ganhos nominais. Mas nada se compara com ativos verdadeiramente escassos como o Bitcoin, ouro e prata, que valorizaram expressivamente desde o insano aumento da oferta monetária causada pelos bancos centrais.

Histórico de preço do bitcoin. Fonte: Coingolive.

Leia algumas das principais matérias completas nos outros jornais:

Veja também: MicroStrategy quer comprar mais US$ 600 milhões em btc, vai faltar bitcoin?

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.

Posts relacionados

Conheça as principais criptomoedas alternativas da atualidade!

Foxbit
5 de maio de 2018

(BNB) Binance Coin valorizou 75% desde 14 de janeiro

Lucas Bassotto
11 de fevereiro de 2019

Se o Ethereum 2.0 falhar, quais são as alternativas?

Neto Guaraci
3 de agosto de 2020
Sair da versão mobile