Cointimes
Bitcoin

China oferece recompensa de US$25.000 para quem encontrar mineradores de Bitcoin

Mineração de bitcoin e criptomoedas

Foto: Unsplash

Desde que a mineração de bitcoin e criptomoedas foi banida na China, o governo tem tentado diferentes abordagens para eliminar as atividades de mineração no país. O governo chinês justifica que a repressão serve para buscar neutralidade de carbono, além de supervisão financeira.

A última abordagem empregada pela China foi prometer 25 mil dólares para o vencedor de um concurso de identificação de minerador de criptomoedas. Basicamente vão recompensar o melhor “caçador” de mineradores.

Essa competição foi adicionada ao evento Digital China Innovation Contest, realizado anualmente desde 2019. O evento deste ano inclui uma solução baseada em algoritmos que podem identificar atividades de mineração de criptomoedas, mesmo quando estão ocultas.

O concurso digital acontece de janeiro a abril de 2022 em Fuzhou, capital da província de Fujian, no leste da China.

Na prática, a “caça” dos mineradores é bem diferente do que os americanos faziam no século XIX. Os caçadores chineses não vão precisar portar armas e invadir as fazendas de mineração, mas vão precisar apenas se aproveitar de Big Data para examinarem dados de eletricidade para encontrar possíveis mineradores.

Os dados vão ser fornecidos pelo comitê de eletricidade da região e os concorrentes devem analisar criticamente e fazer um relatório com o que descobriram.

Segundo a comissão, a inclusão deste exercício no concurso deste ano é deliberada. Seu objetivo é permitir que eles identifiquem mineradores de criptomoedas que ainda estão operando na China, embora secretamente.

Diz-se que essas mineradoras estão tendo um impacto negativo nas metas de neutralidade de carbono do país e também interrompendo as operações comerciais. Isso eles fazem ocupando fortemente os recursos de computação disponíveis ao público.

A proibição original da mineração de criptomoedas e outras atividades relacionadas a ativos digitais em 2021 levou ao fechamento de mais de 90% de todos os negócios relacionados na região.

Em um relatório, o Banco Popular da China (PBoC) afirmou que a participação global da China na negociação de bitcoin caiu para 10% como resultado dessa proibição de uma dominância original de 90%.

O foco na mineração de criptomoedas na China desde esse período tem sido intenso. Em outubro de 2021, o PBoC adicionou a mineração de criptomoedas à “lista negativa”, proibindo qualquer forma de investimento no setor.

Isso levou a um êxodo de empresas de mineração originalmente residentes na China, com muitas delas se mudando para jurisdições mais amigáveis ​​em outras partes do mundo. Aqueles que ficaram para trás foram forçados a se esconder, e o governo continuou a intensificar os esforços para caçá-los.

Leia também:

Posts relacionados

Quase US$ 300 milhões perdidos em hacks de exchanges no ano passado

Cointimes
8 de janeiro de 2020

Hong Kong responde ao governo chinês comprando Bitcoin como nunca

Neto Guaraci
3 de outubro de 2019

Toyota apresenta o 1º híbrido flex: eletricidade, etanol e gasolina

Cointimes
19 de abril de 2019
Sair da versão mobile