A startup Revitaliza Comunidades, da G10 Hub, começou a vender e a divulgar a coleção Colors Of Favela de 10 000 NFTs das casas de Paraisópolis, que produziram em conjunto com a Art Battle e DAB. As NFTs são vendidas pelo valor de 0.03 ETH

A ideia do projeto é dar cor a uma das maiores favelas do Brasil, a Paraisópolis, em São Paulo, usando uma coleção de NFTs.

“Nosso maior objetivo é conseguir com a venda das NFTs revitalizar 500 casas dentro de Paraisópolis. Também queremos melhorar a mobilidade das pessoas, além de levar conhecimentos tecnológicos relacionados às criptomoedas, investimentos, Web.3 e novas tecnologias. Acreditamos que esse é o primeiro passo para um objetivo ainda maior, que é o de criar um metaverso de Paraisópolis. Estamos no início da venda e divulgação das NFTs, nosso objetivo principal nesse momento é formar uma grande comunidade em nosso servidor do Discord. Pretendemos com a venda das 10.000 NFTs chegar ao valor de 5 milhões. Desse valor, 70% será revertido inteiramente para a revitalização das casas em Paraisópolis”, relata Carlos Leonardo, CEO da Revitaliza Comunidades.

Lançamentos da plataforma

Uma das novidades é o lançamento de uma plataforma com 2.300 NFTs. Carlos conta que fizeram uma comunidade no discord onde compradores de NFTs, se juntam para falar e comprar. A ideia é poder divulgar para que possam chegar nas pessoas que comprem a ideia.

“Uma das principais novidades é que todo nosso roadmap passará por uma atualização em breve. Temos em mente que no futuro toda a nossa coleção irá caminhar para um metaverso e todos os holders (investidores que compraram uma de nossas NFTs) farão parte desse metaverso, podendo inclusive ter ganhos com locação de espaços e negociações com marcas. Acreditamos que é um caminho a união de diversas iniciativas com esse mesmo foco”, conta Carlos.

Cred/Carlos Leonardo

Mais cores

O Colors Of Favela foi lançado no dia 27 de abril e os NFTs começaram a ser criados no início de março, após diversos estudos. 

Passfolio

“Fizemos uma projeção inicial e após várias discussões com os artistas fomos lapidando até chegar à arte atual. As artes são a representação de uma casa inspirada na comunidade de Paraisópolis em formato 3D. Ela tem diversas composições de portas, janelas, cores, graffitis e alguns temas especiais, como por exemplo, uma representação cultural de uma festa junina. A combinação desses elementos determina o grau de raridade de cada NFT. As NFTs são produzidas via programação. Temos um diretor geral que faz a concepção do projeto artístico, mas depois todo o processo de combinação é feito através de programação”, conta Carlos.

As artes das NFTs são representações das casas de Paraisópolis, para isso foram feitos estudos da comunidade e retirados alguns elementos importantes e característicos, como por exemplo, os tijolos sem pinturas.

No total serão 10.000 NFTs divididas em três grandes coleções. A cada coleção foram aprimoradas as estéticas das artes e ampliados o roadmap. 

Carlos conta que o G10 sempre criou importantes iniciativas e esteve muito atualizado sobre as inovações do mundo.

“As NFTs entraram em pauta e ganharam uma relevância grande movimentando um mercado gigantesco no ano de 2021. Acreditamos na importância de unir as pontas das extremidades e sempre trazer o que existe de mais inovador para dentro das nossas iniciativas. Por isso nos unimos para criar essa grande coleção de NFTs e conseguir ampliar o investimento para que o Revitaliza impacte um número gigantesco de famílias dentro de Paraisópolis”, conta Leonardo.

Cred/Carlos Leonardo

Os próximos passos

O próximo passo do Revitaliza é conquistar a marca de 10% de venda das NFTs, para iniciar a compra de materiais e as pinturas das casas.

“Assim que atingirmos essa marca vamos postar um vídeo das tour-artísticas de Paraisópolis, para que eles conheçam um pouco mais sobre os artistas da região”, relata o CEO do Revitaliza.

Nos próximos dias a equipe pretende iniciar a pintura de 50 casas com a doação de um patrocinador. Carlos conta que isso é muito importante para provar a veracidade do projeto junto a outras coleções do universo das NFTs.

“Nossa meta maior é a questão do futuro do Metaverso. É importante ressaltar que nossa coleção de NFT é uma coleção com objetivo social, sabemos da importância e acreditamos muito que podemos mudar a vida de diversas famílias dentro da comunidade de Paraisópolis com essa revitalização. Mas também é um grande investimento para apoiar nossa iniciativa, visto que vamos investir um montante na criação desse metaverso.  No futuro, pretendemos reconhecer a todos que acreditaram e colaboraram com o nosso projeto, podendo reverter ganhos para eles advindos de locação e entrada de marcas dentro do nosso metaverso. Também vamos investir em desenvolvimento de pessoas e democratização de conhecimentos relacionados a tecnologia e inovação”, finaliza Leonardo.

Mais:

https://cointimes.com.br/fotografa-que-expos-nfts-em-sete-paises-entra-para-a-primeira-dao-de-mulheres-no-brasil/

https://cointimes.com.br/medo-de-se-viciar-em-cripto-conheca-algumas-historias-reais/

Passfolio