Cointimes
Economia

Como o dólar influencia o Bitcoin: após a queda das torres, moeda perde hegemonia

Queda das torres 11 de setembro dolar e Bitcoin

Os atentados de 11 de setembro de 2001 moldaram boa parte das decisões de política monetária dos EUA até agora. É fácil de identificar o boom econômico experimentado pela população americana até a década de 90, e após a queda das torres gêmeas, as estruturas econômicas do país revelando as rachaduras.  

Durante a década de noventa, os habitantes do planeta viviam um período de unipolaridade. Com o fim da Guerra Fria, o liberalismo conquistou a hegemonia internacional. 

Entretanto, após a queda das torres, o dólar começa a perder sua força e concorrer com a China, que estava se tornando mais uma potência em ascensão, e agora também o Bitcoin. 

10 anos após o atentado o Bitcoin era negociado a US$ 5,00; e 20 anos após o atentado o Bitcoin é negociado a US$ 45.696 – Fonte: buybitcoinworldwide.com

Como o dólar influencia nas criptomoedas

A influência do dólar nas criptomoedas vai muito além da cotação. Sendo uma das maiores moedas fiduciárias do mundo, utilizada em escala global como referência para a cotação de ativos financeiros tradicionais e para sistemas de pagamentos, é fundamental entender a dinâmica do dólar e como sua flutuação pode interferir no universo cripto, incluindo a cotação das criptomoedas em reais (BRL).

Diferenças 

O Bitcoin é uma criptomoeda, que possui um código-fonte aberto e é totalmente descentralizada. Isso significa que ela é passível de ser comprada e vendida apenas no meio digital, que qualquer programador ou desenvolvedor consegue acessar o seu código pela blockchain e que ela não é regulamentada ou controlada por alguma entidade ou servidor central. 

Leia também: 5 Coisas que mudarão no mundo após a adoção global do Bitcoin

O dólar, uma moeda que já foi lastreada ao ouro, hoje em dia é emitida pelo Banco Central dos EUA, o Federal Reserve. Ou seja, ela é uma moeda que é completamente centralizada, e que é regulamentada e controlada por uma única instituição financeira, o FED. Consequentemente, a emissão de dólares, função de controle do FED, não estipula um número limite de dólares em circulação. 

Influência 

O dólar influencia no cenário macroeconômico, que por sua vez influencia nas criptomoedas. Por isso, o Bitcoin, assim como a maioria das criptomoedas, é cotado globalmente em dólar – e muitas vezes, a variação das criptomoedas no Brasil pode simplesmente estar relacionada a uma variação do dólar aqui.

Um estudo da Chainalysis analisou os ganhos em Bitcoin por país em 2020. Os Estados Unidos foi o país que ficou em primeiro lugar, com US$ 4,1 bilhões de lucro, valor muito superior ao visto pela segunda posição, que foi a China, com US$ 1,1 bilhão. 

Ou seja, de uma forma ou de outra, podemos concluir que o dólar movimenta as criptomoedas, seja através de investidores institucionais ou mesmo por pessoas físicas.

Países com maior volume de movimentação de Bitcoins. Fonte: BlueBanx.

    

O fim da hegemonia do dólar ?   

O trauma dos atentados de 11 de setembro de 2001 parou a economia americana. Durante meses a população americana diminuiu o consumo e as empresas diminuíram a produção. 

A Torre Sul do World Trade Center explode em chamas depois do impacto do voo 175 da United Airlines. Fonte: STR REUTERS

Nas bolsas de valores, as ações despencaram com as expectativas ruins sobre a atividade econômica. O presidente do banco central norte-americano, na época Alan Greenspan, classificou o quadro de recessão, embora o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos não tenha chegado a registrar taxas negativas no período.

Para então estimular a economia, o Fed acelerou a redução dos juros básicos e manteve as taxas baixas até 2004. No lado fiscal, os Estados Unidos ampliaram os gastos militares com a guerra no Afeganistão e com a invasão do Iraque. O comportamento da política fiscal e monetária norte-americana nos anos seguintes aos atentados terroristas, de certa forma, influenciou a crise atual, mas sua contribuição foi decisiva.

Fim da Guerra Fria e início da Guerra ao Terror  

Os anos 90 são anos de crescimento para os EUA, ninguém conseguiu rivalizar com a nação americana, na época. Até o final da década de 90 as reservas internacionais de todos os países eram majoritariamente em dólar. O Brasil fazia comércio com a América Latina e a China em dólar. 

Em 2001 as contas públicas estavam em superávit. O endividamento era bem baixo – cerca de 60% do PIB. E com esse dinheiro todo os EUA conseguiram financiar sua “polícia global”, influenciando não só a cotação do Bitcoin (a partir da sua criação em 2009), mas também as políticas econômicas dos países emergentes e os territórios vigiados pelas suas forças militares. 

Dois policiais ao lado de um cartaz repartido por um diário de Nova York, em 18 de setembro de 2001, que pede a captura de Osama Bin Laden, com o lema: “Busca-se morto ou vivo”, depois do ataque terrorista de 11 de setembro às Torres Gêmeas de Nova York e ao Pentágono, em Washington – Fonte: RUSSELL BOYCE REUTERS

Rachadura econômica 

Após o 11 de setembro, os Estados Unidos colocam de fato suas botas em territórios inimigos – “Boots on the ground”. Aquele espetáculo de terror televisionado para toda a população dos Estados Unidos foi o primeiro ataque em território americano desde Pearl Harbor. Por isso, logo em seguida ao ataque, uma Guerra ao Terror foi iniciada. 

A justificativa para os gastos militares na região do Oriente Médio foi a Guerra ao Terror. As políticas monetárias expansionistas incentivaram muito mais o consumo. A população americana não queria perder o status da década de 90, por isso enquanto os soldados americanos lutavam pela soberania dos EUA no Oriente Médio, o governo continuava sustentando artificialmente a ilusão de crescimento econômico.

Evolução do PIB americano entre 1999 e 2008 – Fonte: Editoria de Arte/G1

Contudo, também após a crise de 2008, os EUA e a Europa quebram, a China ascendeu como potência e ainda mais um agente (não governamental) entra nessa batalha econômica global: o Bitcoin. 

Surgimento do Bitcoin 

Após a queda das torres, o dólar começa a perder sua força e hegemonia para outras potências, e nesse balaio, surge o Bitcoin como alternativa descentralizada aos sistemas monetários tradicionais.

Entretanto, o dólar ainda possui uma enorme vantagem econômica. Isso pois ele foi escolhido como a reserva de valor mundial após o acordo de Bretton Woods, status que se manteve mesmo após a quebra do acordo em 1971. Além disso, desde a criação do BTC os Estados Unidos são o país que mais movimenta a criptomoeda no mundo, como já mostramos.

Uma quarta etapa da história do dinheiro parece estar surgindo, a era Bitcoin. Esse evento criaria as bases para uma nova economia mais sólida e resistente, onde os juros correspondem às poupanças e a moeda não pode mais ser desvalorizada artificialmente. Resta saber se as bases do dólar vão sustentar o peso desse novo ciclo econômico. 

Leia Mais: 

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.

Posts relacionados

Governo quer dividir o Facebook e bitcoin luta por suporte

Cointimes
10 de dezembro de 2020

Real é a moeda mais forte de 2022, diz economista Fernando Ulrich

Gustavo Marinho
22 de março de 2022

21 milhões de Bitcoins são suficientes para uma economia global?

Lucas Bassotto
23 de outubro de 2018
Sair da versão mobile