Cointimes
Economia

Como o governo se financia fazendo seu dinheiro valer menos

inflação

Inflação como transferência de recursos

Quando alguma instabilidade econômica se torna presente em nossa economia é muito comum que haja aumento de preços em diversos setores. Recentemente, com a greve dos caminhoneiros, vimos o preço do combustível e alimentos subir novamente.

Por esse aumento de preços no mercado costumamos culpar os fabricantes e varejo de propositalmente onerar o consumidor para garantirem a si próprios um lucro maior, para se protegerem do caos econômico. Será que é isso mesmo?

Primeiro, precisamos entender que o aumento de preços não é a causa ou a inflação em si, mas sim uma consequência de como o Banco Central está gerindo a economia. No site institucional do BC, encontramos a explicação do que é e o que faz a maior instituição financeira do Brasil[1]:  é o responsável pelo controle da inflação no país. Ele atua para regular a quantidade de moeda na economia que permita a estabilidade de preços.

A inflação é o aumento da quantidade de dinheiro que circula no mercado. Quanto mais dinheiro se permite circular, ou imprimir, maior será o aumento de preços. É simples: com muito dinheiro, sem aumento real de produção ou valor na sociedade, esse “papel” em excesso criado através de dívidas e/ou reservas fracionárias desvaloriza o poder de compra da moeda, causando consequentemente um aumento de preços generalizado.

Em outras palavras: inflação é o aumento da base monetária que produz o aumento de preços, ou seja, o dinheiro terá o menor valor. A situação se agrava pois os governos possuem o monopólio do controle e emissão da moeda.

Historicamente, todos os países com um Banco Central inflacionam sua moeda, causando aumento de preço (desvalorizando a moeda). O dólar tem uma inflação acumulada de 2446.93%[2], ou seja, se o governo dos Estados Unidos não tivesse criado mais dinheiro, um dólar compraria o equivalente a US$24,47 hoje.

Isso não é novo

Mas se olharmos para tempos mais longínquos veremos coisas piores. No ano de 1200, a moeda francesa livre tournois foi fixada em 98g de prata pura, porém, até 1600, o valor era de 11g. Como o governo pode fazer isso? Através do monopólio da cunhagem.

Para se financiar o estado começa a cunhar moedas cada vez mais leves, assim o governo consegue produzir mais moedas e pagar suas dívidas. Depois de algum tempo as pessoas passam a não querer receber as moedas e guardam as antigas pois elas tem mais metal precioso e o governo precisa fixar uma quantidade oficial mais baixa de prata para o dinheiro poder circular.

Em nossos tempos, não temos mais o dinheiro vinculado a um metal precioso e o governo não pode cunhar moedas para circular. Assim, ele faz uso da Casa da Moeda, ou de alguma gráfica licenciada pelo governo (como aconteceu recentemente) [3], para imprimir mais dinheiro e pagar suas dívidas, deixando o dinheiro em circulação nas mãos das pessoas com menos valor.

Alguns anos atrás as pessoas poderiam guardar a moeda mais valiosa e com mais metal. Hoje, carregamos a fome do governo por dinheiro nos nossos bolsos. Vimos isso acontecer na Venezuela, um caso gravíssimo desse abuso de poder.

Se o Brasil precisa de mais dinheiro, pois as contas públicas estão péssimas, poderemos voltar a situações como dos anos 90. Ou ainda podemos ver uma empresa estrangeira imprimindo nosso dinheiro sem qualquer controle.

Nosso Banco Central é responsável por definir uma meta de desvalorização do dinheiro (Metas de inflação), porém o controle é sempre de forma reativa analisando os índices de inflação feitos por terceiros pois não existe um índice oficial de inflação [5]. Na prática a base monetária pode ser aumentada e diminuída e somente no futuro o Banco Central saberá se a variação surtiu o efeito desejado.

Hoje essa transferência é muito mais voraz do que fora antigamente quando os governos cunhavam moedas com menos prata ou ouro, pois nessa época as pessoas conseguiam saber a quantidade de metal nelas, mas hoje a desvalorização é pouco percebida no dia a dia, ficando mais evidente apenas quando há alguma instabilidade econômica.

Será que o governo deveria mesmo controlar a emissão de dinheiro?

Leitura sugerida

https://cointimes.com.br/o-dolar-e-uma-fraude/

https://cointimes.com.br/bitcoin-tem-lastro/

Referências

[1] O que é e o que faz o Banco Central. BCB. <https://www.bcb.gov.br/pre/portalCidadao/bcb/bcFaz.asp?idpai=LAIINSTITUCIONAL>, Acesso em:  01 out. 2018

[2] U.S. Inflation Calculator. Official Data Foundation. <https://www.officialdata.org/1913-dollars-in-2018?amount=1> Acesso em:  01 out. 2018

[3] Rothbard, M.; O que o governo fez com nosso dinheiro: 1. ed. São Paulo: Instituto Mises Brasil, 2013

[4] Câmara aprova MP que quebra monopólio da Casa da Moeda na fabricação de dinheiro. Congresso em Foco. <https://congressoemfoco.uol.com.br/especial/noticias/camara-aprova-mp-que-quebra-monopolio-da-casa-da-moeda-na-fabricacao-de-dinheiro/> Acesso em:  01 out. 2018

[5] Índices de inflação. BCB. <https://www.bcb.gov.br/pre/portalCidadao/indEcon/indice_inflacao.asp> Acesso em:  01 out. 2018

Este tipo de conteúdo é relevante para você ou alguma pessoa que você conhece? Se for, siga e compartilhe a página do Cointimes e se mantenha sempre atualizado no mercado – FacebookTwitterInstagram. Não deixe de participar nos comentários.

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.

Posts relacionados

Banco Central dobra a meta da inflação que bate o dobro da meta

Vini Barbosa
26 de abril de 2022

Bancos que atacam o Bitcoin são acusados de “cartel no câmbio”

Bruno Haacke
16 de junho de 2021

Guilherme Boulos pode criar mais sem tetos em São Paulo com sua proposta

João Victor
23 de outubro de 2020
Sair da versão mobile