Cointimes
Fintechs e Startups

Conheça a OB1, a startup que vai destronar a Amazon com bitcoins e juízes

Brian Hoffman ob1

Surgindo da queda do mercado negro Silk Road a OB1 foi parar na lista de startups mais promissoras da Bloomberg. A OB1 tem a capacidade de destruir o Mercado Livre e a Amazon.

Amir Taaki é um criptoanarquista que ficou indignado com a apreensão de Ross Ulbrich e o fechamento do que para ele é a maior expressão do livre mercado, o site Silk Road.

O Silk Road foi o primeiro mercado negro na Deep Web a funcionar com bitcoins. Contudo, ele tinha um ponto de fragilidade, seu dono – o físico Ross Ulbrich.

Após uma intricada investigação, Ross foi preso e o Silk Road fechou. Amir pensou em criar um software de troca livre, mas descentralizado, sem um ponto de falha.

“Esse é o nosso objetivo como organização, que está usando a tecnologia para a democracia autônoma e o colapso do sistema de estados-nação em todo o mundo”, disse Taaki em uma entrevista à Coindesk.

Então em um hackaton em abril de 2014, ele e uma equipe de devs resolveu criar o projeto “Dark Market”. Um mercado sem servidor central e anônimo. Entretanto, Amir resolveu não proseguir com o projeto.

Ob1 entra em cena

Aí que entra em cena nosso “Obi Wan”, o programador Brian Hoffman.

Após falar com Amir sobre o Dark Market, Brian sentiu que seria uma boa ideia dar continuidade ao projeto. A força era forte no projeto Dark Market, a ideia era interessante.

Depois de anunciar que o projeto iria ser reavivado, Hoffman conseguiu atrair milhares de voluntários ao redor do globo para dar continuidade a ideia de Amir.

Em alguns meses a primeira versão do software estava no ar e funcional. O projeto tinha crescido muito, nosso Obi Wan resolveu levar o projeto para outro nível fundando a OB1.

A companhia conseguiu alguns aportes de Venture Capitalists que acreditavam na proposta de um mercado livre para o mundo.

Open Bazaar: uma solução eficiente

Enquanto o nome de Amir tinha mais a ver com mercado negro, a OB1 precisava mostrar que o livre mercado é para todos, nomeando o projeto de Open Bazaar.

O Open Bazaar funciona de uma maneira diferente e mais eficiente que o Mercado Livre, Amazon ou qualquer outro marketplace.

Primeiramente, sendo um mercado aberto, não há censura de produtos ou pessoas. Se você não quer ver determinados produtos, há um buscador específico sem substâncias estranhas.

Outro ponto é seu sistema de resolução de problemas, enquanto os mercados centralizados falham em dar um bom atendimento nas disputas entre seus usuários, o Open Bazaar é mais eficiente.

Em vez de contratar mediadores de disputa, foi criado um mercado de juízes, qualquer pessoa pode ser um juiz/mediador. Os compradores e vendedores entram em um acordo sobre quem será o mediador em caso de uma disputa.

Para evitar roubos, a plataforma utiliza contratos inteligentes com o Bitcoin, dessa forma, o juiz pode definir para onde vai o dinheiro após a resolução.

Sem entrar em detalhes técnicos, o sistema é bem inteligente, simples e elegante.

Mercado Livre/ Amazon x OpenBazaar | Fonte: Skillshare

Precisamos de uma alternativa

Mas não é só pela beleza e tecnologia que o sistema é útil, gigantes do e-commerce são extremamente problemáticas.

Esses são apenas alguns exemplos do porquê a OB1 foi escolhida pela Bloomber como uma das 50 startups mais promissoras.

Posts relacionados

Atlas Quantum compra Anubis Trade, mas continua sem dinheiro para pagar clientes

Cointimes
26 de setembro de 2019

Mercado Bitcoin muda “certidão de nascimento”, de volta para o futuro?

Gustavo Marinho
11 de novembro de 2021

Como o PicPay consegue render 210% do CDI? É confiável?

Gustavo Marinho
18 de dezembro de 2020
Sair da versão mobile