O longo mercado de alta desde 2009 finalmente amadureceu em uma bolha épica, de acordo com Jeremy Grantham, o cofundador do fundo de investimento GMO, que tem US$ 60 bilhões em ativos sob gestão.

Ele é um voto a favor da crise que está para acontecer. Enquanto Peter Oppenheimer, estrategista-chefe de ações globais e chefe de pesquisa macro na Europa do Goldman Sachs, não acredita que teremos uma crise até 2024. 

Em um artigo de estratégia recente, economistas da Goldman Sachs argumentam que, embora existam bolsões de avaliações excessivas em ações, “A ausência de alavancagem significativa (fora do setor governamental) e o estágio inicial do ciclo sugerem que os riscos de uma bolha de investimento com riscos sistêmicos para o sistema financeiro e as economias são relativamente baixos”. 

Otimistas dizem que é “racional” e “seguro”, graças ao aumento dos preços dos ativos e às taxas de juros muito baixas. Eles acrescentam que os bancos agora não estão sobrecarregados, tendo sido forçados a aumentar sua base de capital desde a crise. Mas ao mesmo tempo, os pessimistas alertam que os planos de resgate econômico podem ser justamente o “detonador” a estourar a bolha do mercado de ações nos EUA. 

Os dois lados da moeda

No lado dos otimistas, acompanhados por Peter Oppenheimer, estrategista-chefe de ações globais e chefe de pesquisa macro na Europa do Goldman Sachs, uma bolha constitui-se da seguinte forma:

Peter Oppenheimer: “ Nem todos os períodos em que os preços dos ativos aumentam rapidamente são bolhas. Uma definição razoável pode ser a rápida aceleração nos preços e avaliações superestimadas, que fazem afirmações irrealistas sobre o crescimento de retornos no futuro. 

Normalmente essas bolhas se desenvolvem sem fundamentos reais, mas puramente na esperança e possibilidade.

O pesquisador ainda nos dá um exemplo sobre crédito fácil e baixas taxas de juros: Certamente temos isso. Temos uma das taxas de juros mais baixas da história. Condições de crédito muito fáceis. Mas, de forma incomum, não estamos observando um aumento acentuado da alavancagem no setor privado.

Segundo ele, os balanços dos bancos agora são muito fortes. Os balanços das famílias são muito fortes, de fato. Se você olhar para os EUA, as famílias acumularam cerca de US$ 1,5 trilhão em economias excedentes durante a pandemia. E isso provavelmente aumentará para cerca de US$ 2,5 trilhões, mais de 10% do PIB quando a economia estiver realmente se abrindo em meados deste ano. Então, isso sugeriria, realmente, não uma bolha. Não estamos no final de um ciclo econômico, que normalmente é o que você teria em uma situação do tipo bolha. 

No lado dos pessimistas, acompanhados por Jeremy Grantham, o longo mercado de alta desde 2009 finalmente amadureceu em uma bolha épica. Sem mencionar que o período de pandemia global agregou consequências sem precedentes. 

Agora, muitos investidores de varejo – que durante a pandemia de Covid puderam trabalhar em casa sem perda significativa de receita, mas foram limitados em seus gastos normais – estão investindo em ações populares, fazendo com que os preços das ações até mesmo de empresas não lucrativas disparem como foguetes de reveillon.

A dívida de margem de Wall St exemplifica o quadro geral. Na negociação de margem, você pede dinheiro emprestado a uma corretora para comprar títulos.

Pouco antes do crash financeiro de 2008, a dívida atingiu o pico de US$ 400 bilhões. Em abril de 2020, atingiu US$ 480 bilhões. Para alcançar US$ 820 bilhões, em março de 2021.

A capitalização de mercado global de ações como porcentagem do PIB global disparou de 320% no início de 2019 para 357% no final de 2020.

E a dívida global também cresceu exponencialmente. O Institute for International Finance (um órgão comercial de bancos globais) estima que a dívida global atingiu um novo recorde de US $ 281 trilhões em 2020, com os gastos públicos com a pandemia de Covid contribuindo com “apenas” US $ 24 trilhões para esse valor.

Os preços dos ativos continuarão subindo e as taxas de juros continuarão baixas?

Um dos principais fatores que responde simultaneamente estas perguntas é a inflação. Se a inflação permanecer baixa e o Federal Reserve sustentar o estímulo monetário, os preços dos ativos continuarão subindo, aumentando o potencial para um crash. Por outro lado, se e quando houver um grande salto na inflação e um aperto monetário tardio, uma crise financeira e uma recessão profunda estarão nos planos.

Certamente, a economia mundial está agora na armadilha da dívida. Os níveis de avaliação da dívida e das ações são tão altos que os bancos centrais não podem apertar a política monetária sem representar uma séria ameaça à estabilidade econômica.

mercado de ações é influenciado pelo aumento significativo de dívida em todo o mundo, como mostra no gráfico.
Fonte: International Monetary Fund, World Economic Outlook database.

Para atualizar o debate, o FED disse ontem, por exemplo, que só aumentaria as taxas de juros se a economia estivesse em pleno emprego, com inflação de 2% e a caminho de ultrapassar esse nível por algum tempo.

Ele espera começar a aumentar as taxas de juros em 2023, antes do previsto anteriormente, de acordo com novas projeções econômicas que previam um crescimento mais rápido e uma inflação acentuadamente mais alta este ano.

O Cointimes também quer ouvir a sua opinião! Você está do lado dos otimistas ou pessimistas? A enquete está disponível no nosso grupo do Telegram.

Compre e venda Bitcoin e outras criptomoedas na Coinext
A corretora completa para investir com segurança e praticidade nas criptomoedas mais negociadas do mundo.
Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br