“ Na era da vigilância total, privacidade é ouro”

Quanto mais escasso e difícil é obter um bem ou serviço, mais caro ele tende a ser. Hoje a vigilância das suas transações bancárias, do que você gosta e com quem você interage chegou a um extremo quase distópico. Apple, Facebook, Itau, governo brasileiro, todos eles te monitoram em diferentes esferas da sua vida. 

A privacidade é algo falado nas propagandas de grandes marcas, mas quando você lê os termos de privacidade o marketing cai por terra

O monitoramento é tão grande que até mesmo as criptomoedas são vítimas de grandes corporações interessadas nos seus dados. Bitcoin, litecoin, ethereum, dogecoin e várias outras criptomoedas são completamente transparentes.

Já imaginou ter sua conta bancária aberta para o mundo todo ver? Você pode ver o endereço de bitcoin e cada transação feito de 2009 até hoje em sites como blockchain.info. Bastando alguns cruzamentos de dados para descobrirem quem você, o que você fez com seus bitcoins e revelar para o mundo todo seu comportamento.

Mas existem algumas soluções. Criadas para permitir transações privadas, as privacy coins estão conquistando ativistas pro-liberdade de expressão, hackers e as pessoas comuns que não querem suas vidas reviradas por governos. E se você não tem nada a esconder, talvez seja bom lembrar do que um político seria capaz de fazer se ele soubesse suas preferências. 

Snowden frase sobre privacidade

“Argumentar que você não se importa com o direito à privacidade porque você não tem nada a esconder, não é diferente de dizer que você não se importa com a liberdade de expressão porque você não tem nada a dizer.”

– Edward Snowden

Cutcoin, uma solução para o problema de privacidade?

A grande questão é como resolver o problema da falta de privacidade? As tecnologias criadas pelos cypherpunks, na qual o criador do bitcoin publicou o whitepaper da criptomoeda, pode ser um dos caminhos. 

Assim como o bitcoin, um outro protocolo cypherpunk surgiu. Nomeado de CryptoNote e criado pelo anônimo Nicolas van Saberhagen, a tecnologia revolucionou o mercado de criptomoedas, principalmente quando falamos de privacidade. 

A criptomoeda Monero, cujo valor de mercado já superou os R$30 bilhões, foi completamente baseada no CryptoNote. Mas ela não é a única, outras soluções usando a mesma ideia mas em um nível diferente foram criadas ao longo dos anos, uma delas é a Cutcoin

A moeda utiliza a mesma tecnologia do Monero, mas com algumas diferenças. Primeiramente, a Cutcoin permite a criação de moedas próprias usando a tecnologia de tokens CNT-1, permitidno que você crie ativos digitais e transacione usando a mesma criptografia forte do CryptoNote.

Casos de uso da Cutcoin

casos de uso da Cutcoin

Outras criptomoedas como Beam, permitem a criação de tokens, mas não utilizando o mesmo framework das principais moedas de privacidade. Este recurso abre um novo mundo de casos de uso para a pltaforma, como:

  • Stablecoins privadas, atualmente o mercado de criptomoedas tem mais de US$70 bilhões em stablecoins como USDT, TUSD e outras. A maior parte  destes valores estão completamente vulneráveis a empresas de análises de dados, isso causa diversos problemas e manipulações de mercado. Imagine que você um bilionário movimentando R$1 bilhão no blockchain transparente para uma corretora, o mundo saberá desse movimento. Isso é horrível para você que vai comprar os tokens mais caros, pois os vendedores já sabem que mais dinheiro está entrando.
  • Crowdfunding privados: já pensou em levantar fundos para o seu negócio? Esse processo é extremamente burocrático e caro, mas o blockchain pode garantir que você faça uma emissão de tokens e com privacidade máxima distribua os tokens para os investidores. 
  • Securitização de arte é outra possibilidade com grande potencial. Geralmente quem compra ou vende arte gosta de privacidade, principalmente os grandes investidores. Como garantir que a arte que você está comprando vem da origem correta sem comprometer a privacidade? A verificação criptográfica do token pode ser feita, mesmo com a garantia de privacidade no blockchain. 

Um blockchain opaco, mas verde

Além das características de privacidade e casos de uso dos tokens CNT-1, a Cutcoin tem um enorme diferencial para aqueles que se preocupam com o meio ambiente. Ela é uma das poucas moedas digitais privadas a implementar o sistema de Proof-of-Stake. 

Além de gastar menos energia, esse sistema permite maior participação dos holders. E funciona da seguinte forma, segundo o github do projeto:

“Ao fazer o staking, seu endereço de carteira, a quantidade de moedas em sua posse permanece informação privada. No entanto, a fim de fazer saídas maiores mais propensas a ganhar recompensas, a quantidade de moedas na transação de cunhagem (que é a quantidade de moedas na saída única que é a entrada na transação) é tornada pública. Isso, por exemplo, permite que observador externo aposte que dois blocos que estão a mais de 800 blocos de distância e têm algum número específico de moedas (por exemplo 4563.8943100131) na transação de tomada de moedas pertencem à mesma pessoa/carteira. 

No entanto, se a quantidade de moedas é menos específica – digamos 100 e muitos blocos têm transação de cunhagem de 100 moedas, então praticamente nenhuma informação é revelada.”

As preocupações relacionadas ao impacto ambiental da mineração tem surgido como um tema importante no mercado de ativos digitais. Após a Tesla rejeitar o uso de bitcoin por receio quanto a mineração não limpa, criptoativos com mineração PoS como a Cutcoin ganharam destaque. 

Quem faz staking tem a chance de forjar um bloco e ganhar mais moedas com as taxas da rede e recompensa por bloco, as chances aumentam com o tempo de staking e quantidade de moedas. Isso incentiva o comportamento de guardar o ativo, além de dar segurança para a rede. 

A emissão da Cutcoin está definida de modo que após alcançados 200 milhões de CUT, apenas 0,6 CUT sejam gerados para manter o incentivo na rede. Como resultado, a inflação sempre tende a zero. 

Abaixo podemos ver o gráfico de como estão dividas as moedas. 2% delas foram pré-mineradas para dar incentivo para os desenvolvedores continuarem no projeto, 9,3% foram mineradas via Proof-of-Work (um sistema semelhante ao do Bitcoin) e 88,7% via PoS. 

Em suma, a Cutcoin apresenta características interessantes para o mercado de criptomoedas e resolve um sério problema da transparência em blockchain. Segundo dados do Coingolive, a CUT subiu 321% nos últimos 12 meses.

Cutcoin gráfico Coinmarketcap

Apesar de já ter 3 anos de mercado, a criptomoeda está disponível apenas na TradeOgre, Crex24 e Stex no par bitcoin (btc). Mais detalhes sobre a moeda em:

*Esse é um post patrocinado e não é de forma alguma uma dica de investimento.