Quem diria que em poucos anos o mercado de criptomoedas iria ter um sistema de empréstimos colateralizado tão forte como o atual.

Um empréstimo colateralizado acontecendo quando você pega algum valor e dá uma garantia. Digamos que eu precise de US$1.000,00, contudo, eu só tenho bitcoins e não quero me desfazer desse ativo.

O que fazer?

Uma boa escolha seria pedir um empréstimo e dar como garantia os bitcoins. Empresas como a Creditas, fazem o mesmo processo mas com casas, carros e outros bens. Entretanto, a grande vantagem de usar bitcoins é que o processo é automático.

Crescendo insanamente

Enquanto o ritmo de empréstimos tradicionais tem crescido ~2,9% ao ano nos Estados Unidos, a maior empresa de empréstimos em cripto viu um crescimento de quase 10 vezes.

A Genesis, responsável por quase metade do mercado de “criptoempréstimos”, cresceu 21% durante o último trimestre de 2019 – com volume de US$545 milhões.

Para alimentar esse crescimento e aumentar a competitividade, a concorrente BlockFi conseguiu levantar US$30 milhões de dólares. A rodada de investimentos teve participação do fundo dos irmãos Winklevoss, Morgan Creek Digital, Valar Ventures (de Peter Thiel) e XRP Capital.

A BlockFi cresceu 20 vezes em 2019 e hoje tem em custódia US$650 milhões em ativos. Eles trabalham com bitcoin, litecoin, monero e outras criptomoedas.

“Estamos orgulhosos de ter feito nosso primeiro investimento no setor de criptomoedas com a BlockFi e estamos animados em continuar impulsionando a empresa, pois eles definem o padrão da indústria”, declarou Andrew McCormack, sócio geral da Valar Ventures.

Veja também: Peter Thiel vende ações do Facebook e aposta no Bitcoin