Cointimes
Notícias de Economia

Enquanto Brasil terá queda de 9,1% no PIB, esse país deve crescer 52,8%

Feira na Guiana

A crise do covid19 vem afetando a economia de diversas nações, com França, Itália e Espanha tendo contrações de 2 dígitos no PIB projetadas para 2020. A queda esperada para o Brasil é de 9,1%, com uma leve recuperação de 3,6% em 2021, de acordo com os dados mais recentes.

A China, que tem a projeção de 1% de crescimento sendo o país de origem do COVID-19, não é a única exceção. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a Guiana deve apresentar um crescimento de 52,8% esse ano.

A razão está no fundo do mar, onde em 2015 foram descobertas significativas reservas de petróleo. Essa descoberta impulsionou o crescimento do PIB através de investimentos, veja a aceleração a partir de 2015:

Produto Interno Bruto (PIB) da Guiana. Fonte: Banco Mundial.

Antes da crise do novo coronavírus, no entanto, a projeção de crescimento para 2020 era muito maior. Em janeiro, esperava-se que a Guiana terminasse o ano aumentando o PIB em 86,5%.

As petroleiras Exxon, Hess e CNOOC se juntaram para começar a extração em janeiro de 2020, e até 2025 a expectativa é que tenham produzido 750 mil barris de petróleo por dia, de acordo com a Exxon.

Apesar dos esforços do Ministro de Finanças do país em usar os investimentos para auxiliar o setor de mineração de minerais, o FMI prevê que em cinco anos o petróleo represente 40% a economia. Mas isso pode ser uma bênção ou uma maldição.

A maldição do petróleo e a destruição da Guiana

Nem tudo são hidrocarbonetos preciosos na Guiana. Ao mesmo tempo em que o país recebe grandes investimentos e começa a sair da pobreza, uma maldição assola nosso pequeno vizinho.

A famosa maldição do petróleo, um problema econômico que assola boa parte dos países com grandes reservas de petróleo ou algum metal precioso em abundância o suficiente para ter o potencial de deixar o país extremamente rico.

Por que ter tanto petróleo poderia enfraquecer e destruir a Guiana?

Primeiramente, o suco de dinossauro pode enfraquecer a economia. A quantidade de petróleo trás consigo montanhas de dólares, fortalecendo a moeda local e tirando a competitividade dos produtos regionais. Como resultado, a mão-de-obra se direciona para a indústria do petróleo, diminuindo a diversidade econômica do país.

Outra consequência, dessa vez derivada do governo, é o aumento nos casos de corrupção e gastos excessivos. Aliás, não tivemos sequer 5 anos de descoberta e o país virou um poço sem fim de corrupção.

“Na Guiana, a corrupção é desenfreada”, disse Troy Thomas, diretor do escritório da ONG Transparência Internacional no país. Ele se diz “bastante preocupado” com a “maldição do petróleo”.

Excesso de gastos, indústria destruída e corrupção generalizada criam países como a Venezuela, nação “amaldiçoada” com as maiores reservas petrolíferas do mundo.

Então é o fim da Guiana? Não, há maneiras de evitar boa parte dessa maldição. Instituições fortes para evitar a corrupção, leis fiscais rigorosas e a utilização do excesso de dólares em fundos de investimento são algumas das alternativas recomendadas por economistas.

Essa receita resultou em um dos países mais ricos do planeta, a Noruega. Esses escandinavos criaram um fundo com 1,5% da riqueza mundial e controlam boa parte das grandes empresas de tecnologia como Facebook e Google.

Nós falamos mais sobre o fundo norueguês na matéria “Conheça o fundo de US$ 1 trilhão que detêm 1,5% da riqueza global”.

Escrito em colaboração com Neto G.

Compre e venda Bitcoin e outras criptomoedas na Coinext
A corretora completa para investir com segurança e praticidade nas criptomoedas mais negociadas do mundo.
Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

Posts relacionados

Remessas do Nintendo Switch para o Japão são atrasadas pelo coronavírus

Cointimes
6 de fevereiro de 2020

Necessidade da China por commodities não elevará facilmente o crescimento do Brasil, diz IFF

Cointimes
16 de março de 2021

Whatsapp pede aval do BC para ser iniciador de pagamentos no Brasil, diz jornal

1Bilhão
15 de fevereiro de 2021
Sair da versão mobile