Breaking News  
CDB: Entenda como funciona Investimentos

CDB: Entenda como funciona

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

O que é?

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título que os bancos emitem para capitalizar suas operações de crédito, como empréstimos e financiamentos. Esta opção é uma excelente maneira de garantir uma boa rentabilidade. Portanto, o CDB nada mais é do que um título de renda fixa, ou seja, um título que oferece uma rentabilidade diária com um baixo risco.

Desta maneira, ao comprar um título de CDB, o investidor está emprestando dinheiro a uma instituição bancária. Como benefício, o comprador do título recebe uma rentabilidade diária. É um investimento recomendado para pessoas mais conservadoras que desejam um rendimento melhor que a poupança.

Poupança não é um bom investimento, entenda porquê

Como funciona?

A remuneração é feita em juros sobre o capital investido. O resgate poderá ser feito diariamente ou no final do prazo da aplicação, dependendo da opção escolhida. Quem deseja ter um fluxo de renda constante, é recomendado um título de liquidez diária, por exemplo.

A rentabilidade do título segue um indexador, no caso dos títulos CDB, este indexador é o CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Ele lastreia as operações no mercado interbancário. A taxa do CDI sempre segue a taxa básica de juros da economia, a SELIC.

CDB pós-fixado, pré-fixado ou misto?

No CDB pré-fixado, o investidor já sabe exatamente o quanto ele vai receber no final da sua aplicação. A remuneração é acordada entre o banco e o investidor no momento da compra do título. Vale lembrar que esta remuneração não irá mudar até o prazo final, portanto, é um investimento mais arriscado dependendo do momento na economia. Este título é recomendado para quem aposta na manutenção dos juros baixos. Não é recomendado quando a economia está em crescimento, ou seja, é um bom investimento para no máximo 1-2 anos.

Em um título pós-fixado, o investidor não conhece o rendimento futuro de sua aplicação. O seu rendimento está atrelado ao CDI, que oscila junto com a taxa de juros básica, a SELIC. Portanto, o investidor estará sempre seguindo o mercado ao optar por esta operação. É recomendado para quem está apostando na alta da taxa de juros. Pode ser uma boa opção para os próximos anos, caso o Brasil volte a crescer.

Um CDB “misto” oferece uma rentabilidade fixa mais a taxa de IPCA. Ou seja, o investidor recebe uma taxa de rentabilidade já conhecida e ainda se protegerá da inflação. É recomendado para quem deseja arrecadar fundos para uma aposentadoria, por exemplo. 

Fundo Garantidor de Crédito

O mais importante de tudo é verificar se a instituição que oferece o CDB está coberta pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos). Caso o banco emissor do título declare falência, suas aplicações até R$250.000,00 estarão seguras. Portanto, o limite do FGC deve ser respeitado, de modo a se evitar um risco desnecessário de perder seu capital. Para respeitar o limite, é recomendado espalhar seu capital em títulos emitidos por diferentes instituições, ou seja, a regra é diversificar.

Escolha um prazo

É importante planejar um planejar um prazo para as suas aplicações. Isso vai determinar a rentabilidade e os custos do seu investimento. Para quem deseja possuir um fluxo de renda, é recomendado investir em um CDB com liquidez diária. Desta maneira, o investidor pode sacar seu investimento diariamente. No entanto, os custos desta opção são maiores, por conta do imposto de renda.

Investimentos de longo prazo pagam uma alíquota menor no Imposto de Renda, além disso, a rentabilidade de um investimento de longo prazo é muito melhor. As melhores ofertas de CDI pós-fixados são aquelas que possuem um longo prazo de aplicação.

Custos

O CDB, quando comparado a outros investimentos, é um pouco mais custoso. Quem deseja investir, terá de arcar com o Imposto de Renda, IOF e taxas administrativas cobradas pelos bancos ou corretoras.

O IR sobre o CDB é regressivo, isto é, quanto maior for o prazo da aplicação, menor será a alíquota. A taxa administrativa também varia de banco para banco, tendendo a ser maior nas corretoras.

Abaixo segue a tabela do Imposto de Renda. A alíquota é aplicada sobre o capital no momento do resgate. Note que a alíquota se torna menor conforme o prazo da aplicação.

tabela de alíquota do imposto de renda
Tabela do Imposto de Renda – Elaboração própria

Retorno

Para saber o retorno do CDB, nós preparamos uma calculadora exclusiva que pode ser acessada AQUI. Na imagem abaixo, fizemos uma simulação de uma aplicação de R$10.000,00 por 5 anos, tanto em um título pré-fixado como em um título pós-fixado. Vale notar que foram utilizadas estimativas compatíveis com o que é encontrado hoje no mercado.

Exemplo:

calculadora retorno cdb
Simulação CDB

Risco

O risco do CDB consiste na saúde financeira do banco emissor do título. Ou seja, o investidor está sujeito ao risco de o banco emissor declarar falência. No entanto, caso o banco seja coberto pelo FGC, o investidor poderá recuperar o dinheiro dentro do prazo estipulado. Caso contrário, todo o capital resultante da aplicação será perdido, restando recorrer à justiça.

Por isso, é recomendado pesquisar a credibilidade da instituição emissora. Além disso, verificar se a mesma está coberta pelo FGC. Desconfie de qualquer fundo de investimento que esteja oferecendo uma rentabilidade muito acima do que é oferecida no mercado.

Bancos pequenos oferecem uma remuneração melhor, no entanto, o risco também é maior. Os bancos tradicionais, por outro lado, oferecem uma remuneração menor, mas dispõem de maior solidez financeira. A Caixa Econômica Federal, por exemplo, oferece CDB rendendo 91% do CDI. Enquanto isso, há bancos menores como o BMG que oferecem até 120% do CDI.

Um exemplo prático de risco aconteceu cerca de 2 meses atrás, com a liquidação extrajudicial do Banco Neon. Nesse caso, a instituição em questão era coberta pelo FGC, desta forma, os investidores poderão reaver seus saldos rapidamente de acordo com o prazo estipulado.

Como comprar?

Comprar um título CDB é relativamente muito simples, provavelmente o seu banco deve oferecer um. Alguns bancos como Banco do Brasil e Intermedium, já oferecem a compra dentro do internet banking ou aplicativo, ou seja, é bastante fácil investir. É possível acessar uma lista de títulos oferecidos AQUI.

Também é possível comprar os títulos em diversas corretoras especializadas. No entanto, é uma opção mais cara, visto que algumas cobram taxas pela custódia e manutenção no serviço. É uma boa opção para quem quer achar bons títulos, desde que esteja disposto a pagar.

Conclusão

O CDB é uma ótima alternativa para fugir da poupança. É um investimento muito parecido com o Tesouro Direto, pois oferece um risco baixo e uma rentabilidade similar. É recomendado para quem está começando agora no mundo dos investimentos, no entanto, sem correr tantos riscos. O CDB também pode ser utilizado por investidores experientes que desejam ter uma liquidez diária.

Gostou do conteúdo? Compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais. Caso queira receber mais conteúdo como este, não deixe de assinar nossa Newsletter.

Entenda como funciona o Tesouro Direto

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

Sou Lucas Bassotto, graduando em Economia. Um grande entusiasta do mundo da criptoeconomia. Atualmente trabalho na Foxbit produzindo conteúdo.