Cointimes
Mercado

FED pode discutir o maior aumento na taxa de juros desde 1994

Recessão econômica

Bolsa de Valores dos EUA em crise

Novos dados sugerem que a inflação está chegando ainda mais forte e provando ser mais teimosa.

O Sistema de Reserva Federal dos EUA (FED) tem prometido ser ágil no combate contra a inflação, no entanto, essa postura pode levar as autoridades a uma discussão sobre o maior aumento da taxa de juros desde 1994 em reunião esta semana. 

Na quarta-feira (15), o FED deve divulgar tanto as decisões em torno do aumento das taxas de juros, que podem chegar a três quartos de um ponto percentual (0,75%), quanto um novo conjunto de projeções econômicas.

O FED já aumentou as taxas em meio ponto percentual em maio, e as autoridades haviam sugerido durante semanas que um aumento semelhante seria justificado em suas reuniões de junho e julho, se os dados evoluíssem como esperado.

Mas os custos não se comportaram como previsto

O relatório de índice de preço ao consumidor (CPI) publicado na semana passada mostrou que a inflação acelerou novamente em maio e está no ritmo mais rápido desde 1981. Duas pesquisas recentes de expectativas de inflação mostraram que os consumidores estavam começando a antecipar aumentos de preços muito mais rápido.

Isso pode aumentar a sensação de desconforto no FED, que está tentando acabar com a inflação alta antes que ela mude de comportamento e se torne uma característica mais permanente do cenário econômico.

As diversas notícias preocupantes sobre o mercado fizeram com que economistas e investidores suspeitassem da possibilidade do Banco Central começar a aumentar as taxas de juros para sinalizar que reconhece o problema, e que está fazendo do combate à inflação uma prioridade. De acordo com Pooja Sriram, economista americano do Barclays, “se esse é o plano, eles deveriam tomar uma postura política mais agressiva.”

Saiba mais: Gestor de ativos opina: EUA têm 60% de chance de recessão

Enquanto isso, Wall Street está se preparando para que as taxas de juros subam mais do que os investidores haviam previsto há poucos dias, uma realidade que está causando o naufrágio das ações e causando o sangramento de outros mercados, inclusive o de criptomoedas

Investidores esperam agora que as taxas subam para uma faixa de 2,75% a 3% a partir da reunião do FED em setembro, partindo da atual faixa de 0,75% a 1%. O FED não havia feito um aumento tão grande desde o início dos anos 90, e o limite superior a 3% seria o mais alto desde a crise financeira global de 2008.

As políticas bruscas e suas implicações para a economia

Quando o FED muda sua política de taxa de juros, ele filtra a economia para tornar mais caros os empréstimos de todos os tipos – incluindo empréstimos hipotecários e empréstimos comerciais. 

Isso retarda o mercado imobiliário, impede que os consumidores gastem tanto e resfria as expansões corporativas, enfraquecendo o mercado de trabalho e a economia em geral. Uma demanda mais lenta pode ajudar a aliviar as pressões de preços à medida que menos compradores competem por bens e serviços.

Embora os problemas de abastecimento ligados à pandemia estivessem sendo amenizados, causando leve melhoria nos preços, a guerra na Ucrânia e os novos lockdowns impostos na China para conter o coronavírus podem manter os preços elevados.

Famílias, economistas e investidores temem cada vez mais que o Banco Central anuncie uma recessão, e a ansiedade sobre uma próxima retração foi refletida nos mercados na segunda-feira (13). 

Saiba mais: Estados Unidos provavelmente entrará em recessão até 2023, sugere pesquisa com economistas

O FED está no período de silêncio antes da reunião, durante o qual suas autoridades não fazem comentários sobre políticas monetárias ou sobre a publicação de dados-chave, incluindo a última leitura sobre a inflação.

De acordo com Diane Swonk, economista chefe da Grant Thornton, este momento é quando “ser ágil é importante, pois “um movimento de 75 pontos de base demonstraria o compromisso do FED em evitar os erros dos anos 70,” quando houve o enfraquecimento do dólar diante da ruptura do padrão dólar-ouro.

Leia mais:

Posts relacionados

Apple deveria comprar Netflix e Blizzard, diz JPMorgan

Cointimes
4 de fevereiro de 2019

Bitcoin ultrapassa os US$ 57 mil após estresse causado pela nova variante – Resumo de Mercado

Bruno Haacke
29 de novembro de 2021

Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%

1Bilhão
9 de fevereiro de 2021
Sair da versão mobile