O Fundo Monetário Internacional (FMI) reconheceu oficialmente Bitcoin como reserva de valor e explicou durante as Reuniões Anuais do FMI e do Banco Mundial, em Washington, porque o Brasil inseriu Bitcoin no Balanço de Pagamentos do país e porque a organização internacional vem recomendado a todos os países que façam o mesmo.

O assunto foi abordado em um painel “O que sabemos sobre criptoativos”, comandado por Bo Zhao, do Departamento de Secretário do FMI, Venkat Josyula, do Departamento de Estatística e Sonja Davidovic, do Departamento de Tecnologia da Informação.

No painel, Josyula observou que, devido a vários fatores em desenvolvimento, o FMI passou a debater a inclusão de Bitcoin e criptomoedas nas estatísticas macroeconômicas, inclusive o Brasil havia abordado o FMI sobre como tratar criptoativos nas estatísticas nacionais.

“Esses países nos abordaram porque não havia padrões estatísticos internacionais, uma vez que os criptoativos são um fenômeno novo (…) Os criptoativos combinam as propriedades de moedas, mercadorias e ativos intangíveis. São representações digitais de valor possibilitadas pela criptografia e pela tecnologia de contabilidade distribuída”

Fonte: Cointelegraph.