A MicroStrategy, a maior empresa de capital aberto de Business Intelligence do mundo, anunciou a compra de 21.456  bitcoins por US$250 milhões, tornando o Bitcoin sua moeda principal.

Bitcoin como moeda principal

Em comunicado à imprensa lançado hoje (11/08) pela manhã, a MicroStrategy revelou que prefere ter bitcoin do que ficar segurando dinheiro fiat (dólar).

“Este investimento reflete nossa crença de que o Bitcoin, como a criptomoeda mais amplamente adotada no mundo, é uma reserva confiável de valor e um ativo de investimento atraente com maior potencial de valorização a longo prazo do que manter-se em dinheiro.”

Como resultado, a empresa usará o bitcoin como principal moeda de reserva em vez do dólar ou euro:

“A MicroStrategy reconheceu o Bitcoin como um ativo de investimento legítimo que pode ser superior ao dinheiro e, portanto, fez do Bitcoin a principal participação em sua estratégia de reservas de tesouraria. ”

Leia também: China e Rússia abandonam o dólar e formam aliança

A MicroStrategy agora está do lado da Visa, Mastercard, JP Morgan e diversos outras grandes companhias trabalhando de perto com o mercado de criptomoedas e bitcoin, como nota o comentarista Joseph Young.

Comentário Joseph Young

Estamos entrando na “Virtual Wave”

Mas quem é a MicroStrategy? Ela já atua há mais de 30 anos antecipando trends tecnológicas. Foi uma das primeiras empresas a indicar a “Onda Mobile” ainda em 2012, prevendo a explosão do uso de smartphones e o impacto deles no Facebook, Twitter, Amazon e Google.

Dessa vez, eles acreditam na vinda da “Onda Virtual” – trazendo consigo a desmaterialização de produtos e serviços, 

“A Onda Virtual” – uma rápida desmaterialização de produtos, serviços e processos possibilitada por avanços em tecnologia e catalisada pela crise COVID. A MicroStrategy acredita que a transformação digital se acelerou em meio a mudanças rápidas nos requisitos do mercado. Essa dinâmica faz com que muitas empresas repensem suas ofertas, operações e sistemas, bem como seus balanços e estratégias financeiras.”, explica a empresa

Não fique de fora dessa nova onda, entre no grupo do Cointimes no Telegram: