Cointimes
Altcoins

Interesse por DeFi faz token Celo subir 164% em um dia

Defi for the People Celo

DeFi significa “finanças descentralizadas” e se refere a uma classe de plataformas de criptomoedas descentralizadas que podem operar de forma autônoma sem o suporte de uma empresa, grupo ou intermediário.

O crescimento da DeFi tem sido uma das maiores histórias em criptomoeda nos últimos 18 meses. Como alternativa ao sistema financeiro tradicional, os protocolos Defi estão indo atrás de novos clientes sem acesso ao banco, principalmente em países emergentes. 

Enquanto isso, com medo de perder o monopólio sobre o sistema financeiro, as autoridades reguladoras continuam a frear a adoção de criptomoedas. 

Entretanto, esse não parece ser um problema sério para o token Celo, que em uma semana realizou uma alta de 85,5%, segundo o CoinGoLive. Após o salto para US$ 11, o token volta a ser negociado a cerca de US$ 5,74. 

Gráfico de preço do Celo (CELO)/TetherUS, 1D, Binance – Fonte: Tradingview.com

Interesse por Defi faz o token Celo subir

Celo (CELO) é um ecossistema de blockchain focado em aumentar a adoção das criptomoedas entre os usuários de smartphones. Nesse intuito, um consórcio de empresas Defi anunciou segunda-feira (30) o “DeFi for the People” – um projeto colaborativo que visa apresentar e incluir ao mundo DeFi os 6 bilhões de usuários de smartphones em todo o planeta.

Construída no Celo, a nova iniciativa conta com Aave, Curve, Sushi, PoolTogether, 0x, UMA, Valora, Ubeswap e Moola Market entre os seus sócios fundadores. Parceiros de educação e infraestrutura incluem Chainlink, RabbitHole, The Graph e Wrapped.com.

Celo, Aave, Curve, Sushi, PoolTogether, 0x, UMA, Valora, Ubeswap, Moola Market, Chainlink, RabbitHole, The Graph e Wrapped.com fazendo parte do projeto – Defi for the people

No dia do anúncio deste projeto, o token Celo atingiu uma máxima de 164% em um dia, sendo negociado a cerca de US$ 10. Apesar do preço ter retornado à faixa de US$ 5,74, o salto repentino reflete a expectativa dos investidores sobre o mercado Defi, que busca incluir ao mundo DeFi os 6 bilhões de usuários de smartphones em todo o planeta.

Solução descentralizada para população sem acesso ao banco

O mercado DeFi experimentou um crescimento explosivo nos últimos anos, mas ainda existe muito território a ser explorado. Dos cerca de 5 milhões de pessoas em todo o mundo atualmente usando aplicativos DeFi, menos de 10% vivem fora dos países desenvolvidos.

Por isso mesmo, se o projeto “Defi for the People” conseguir tornar as aplicações financeiras descentralizadas mais acessíveis para a população dos países emergentes, espera-se que o mercado Defi e, nesse caso específico, o token CELO continue ascendendo em valorização e adoção.  

De acordo com o Banco Mundial, uma população estimada em 1,7 bilhão de adultos ao redor do mundo não tinha conta bancária em 2017. 

Ainda há na China, por exemplo, 224 milhões de habitantes sem uma conta bancária. Na Índia, esse número é de 191 milhões, enquanto no Paquistão o índice está abaixo de 100 milhões. Os três ocupam as primeiras posições do ranking de desbancarizados. No Brasil, que ocupa o 9° lugar, o número de desbancarizados é de 48,4 milhões de pessoas.

Para bilhões de pessoas, o telefone celular é o dispositivo mais importante e, muitas vezes, o único acesso à Internet. Por isso, faz sentido essa corrida das empresas Defi atrás de clientes desbancarizados. Se elas forem capazes de oferecer um serviço melhor do que os bancos tradicionais, mais pessoas vão usufruir da tecnologia que tornou as finanças descentralizadas. 

Leia Mais:

Compre Bitcoin na Coinext
Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

Posts relacionados

Bitcoin processando menos transações pode ser uma coisa boa

Cointimes
20 de março de 2020

Grayscale confirma interesse em criar produtos de Chainlink, Monero e outras altcoins

João Victor
26 de fevereiro de 2021

NASA anuncia vaga de emprego para especialista em blockchain

Gustavo Marinho
25 de setembro de 2019
Sair da versão mobile