Os protestos em Hong Kong estão ocorrendo há muitas semanas e, recentemente, a tensão começou a escalar. Tudo começou em março, com dezenas de milhares de moradores de Hong Kong tomando as ruas para protestar contra a lei de extradição de 2019. Se a proposta for promulgada como lei, autoridades chinesas estariam permitidas a extraditar qualquer cidadão de Hong Kong para a China continental se fossem acusados de um crime.

Em abril e junho, os protestos ganharam muito impulso e, aos olhos de muitos moradores de Hong Kong, a luta se transformou em um gigantesco movimento de independência para se separar do governo da China. No domingo, 16 de junho, as ruas do centro de Victoria Park estavam cheias de manifestantes que marcharam contra a dominação do governo comunista chinês. N dia 12 de agosto, o aeroporto do país teve que suspender vôos por dias, porque milhares de manifestantes usaram o centro de viagens internacional para participar de uma manifestação.

Agora, o presidente do Partido Nacional de Hong Kong e conhecido ativista da independência, Chen Haotian, está convocando uma “corrida” contra entidades bancárias chinesas.

O termo “corrida ao banco” descreve a situação em que um grupo muito grande de pessoas retira fundos de sua instituição financeira ao mesmo tempo. O ato de execução do banco poderia fazer com que um banco parasse de funcionar, devido ao fato de que a maioria das instituições financeiras hoje opera com reservas fracionárias. Essencialmente, se uma grande maioria dos depositantes correr em um banco, provavelmente não há fundos suficientes para pagar todos os que inicialmente depositaram. Em 15 de agosto, a China Press relatou:

“[Chen Haotian] na sexta-feira (16 de agosto) convocou cidadãos de Hong Kong a sacar todos seus depósitos bancários. O alvo principal seriam os bancos chineses, mas [Haotian] disse que outros bancos deveriam também ser alvos, senão os bancos chineses poderiam apenas pedir empréstimos de outros bancos para resolverem seus problemas.”

A Ameaça de Uma Massiva Corrida aos Bancos é Real

A notícia de uma corrida bancária foi seguida de relatos de investidores de Hong Kong despejando as ações mais valiosas do país em meio aos protestos. Alguns especularam que esses fundos migraram para mercados alternativos, como criptomoedas e metais preciosos. A ameaça da corrida aos bancos no país deve ser levada a sério, já que Hong Kong teve corridas bancárias no passado e até tentativas durante a crise financeira de 2008.

Na época, as pessoas achavam que o Banco do Leste Asiático (BEA) cairia em retiradas intransponíveis após os rumores terem enviado milhares de residentes de Hong Kong a agências bancárias durante uma corrida de toda a cidade. Cidadãos reuniram-se em agências da BEA para retirar depósitos, mas o executivo da BEA Li Ka-Shing e a Autoridade Monetária de Hong Kong (HKMA) disseram ao público que a instituição era financeiramente sólida.

Antes desse fiasco, o povo de Hong Kong testemunhou uma corrida bancária de vários dias em agosto de 1991, quando milhares de depositantes concorreram nas instituições financeiras Standard Chartered Bank e Citibank Hong Kong. Políticos não ficaram satisfeitos com os moradores de Hong Kong, e David Nendick, o secretário de Assuntos Monetários, chamou os bancos de “maliciosos”. Na época, um cidadão de Hong Kong que estava em uma longa fila para sacar dinheiro do banco Standard Chartered disse: “ninguém escuta mais o governo – melhor ouvir seus amigos e vizinhos e outros relatórios.” Nendick, no entanto, disse ao público que Hong Kong acabaria sendo “a piada do mundo financeiro” se essa palhaçada de corrida bancária continuasse.

Naquela época, em 1991, Hong Kong ainda era um território dependente britânico, mas a soberania sobre Hong Kong foi transferida para a China em 1997. Muitos residentes que moram no país querem a independência da China por um bom tempo e dois anos após o Ocuppy Wall Street, o Movimento Umbrella levou esta causa para a linha de frente.

O Mundo Inteiro Está Observando

Assim como hoje, o Movimento Umbrella e outros manifestantes de Hong Kong queriam a independência da China depois que o Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo (NPCSC) acrescentou reformas ao sistema eleitoral do país.

Naquele mesmo ano, em 2014, uma grande instituição financeira chinesa foi alvo de boatos de que o Banco Comercial Rural Jiangsu Sheyang, na China, estava à beira da liquidação. O jornalista da The Reuters relatando a cena afirmou que a instituição financeira decidiu permanecer aberta 24 horas por dia. O banco supostamente trazia quantias enormes de dinheiro em carros blindados para satisfazer os depositantes. Enquanto isso, o Movimento Umbrella pediu que os cidadãos de Hong Kong continuassem protestando e a China censurou imagens dos protestos de 2014 na China continental.

Os protestos de 2019 em Hong Kong têm uma vagarosa semelhança com as manifestações anteriores da Umbrella. É provável que não haja uma onda de cidadãos de Hong Kong movendo-se rapidamente para criptomoedas se uma corrida bancária acontecer, mas eventos econômicos como esses deram definitivamente impulso às moedas digitais e aos mercados de metais preciosos nas últimas semanas. Por décadas a China governou Hong Kong e a história mostra que os indivíduos que buscam independência e autonomia sempre encontraram uma maneira de obter sucesso. Corrida aos bancos ou não, os olhos do mundo estão fixados em Hong Kong, assim como estiveram durante os protestos em Paris.