Cointimes
Bitcoin

Minuto Cointimes #02 – Dow Jones, Pornhub, Telegram e Chile

homem segurando duas moedas de bitcoin

A semana que está chegando ao fim foi cheia de parcerias que mostram a força do blockchain e do bitcoin. Como sempre, trazemos o Minuto Cointimes, com aquele resumão de notícias para você não ficar fora do bloco.

Dow Jones Media começa a implementar Brave

Fonte: https://www.bitlisk.com/dow-jones-media-trials-blockchain-with-brave-browser/

O mundo da geração de conteúdo também está sendo impactado pelo blockchain.

A empresa Dow Jones Media Group anunciou sua parceria com a startup do navegador Brave.

De acordo com nota de imprensa publicada  ontem, a startup vai entregar conteúdo exclusivo de alguns sites do conglomerado de mídia, além da exploração de novas tecnologias.

O sistema de envio de conteúdo baseado na plataforma de anúncios e serviços da Brave e o uso do token BAT (Basic Attention Token) são os principais alvos do Dow Jones Media.

A recente parceria mostra uma possível mudança de posição das mídias tradicionais sobre aplicações de blockchain na área de conteúdo, em 2016 a Associação dos Jornais da América publicou uma nota repudiando o modelo de negócio da startup.

Pois é, quem não inova, fica para trás! Se você está fora do bloco, está na hora de entrar.

Veja a notícia completa no site da CoinDesk.

Pornhub introduz criptomoeda

Tão impactante quanto o anúncio do Dow Jones, um dos maiores sites de conteúdo adulto do mundo começou ontem a aceitar a criptomoeda Verge.

Agora usuários do site poderão comprar serviços premium e algumas séries também com criptomoedas.

Vale lembrar que a escolha dessa cripto não foi ao acaso, no próprio site a comunidade a descreve como “construída com  foco na privacidade”. O site criou vídeo bem gozado (desculpe o trocadilho) sobre a nova parceria:

Veja também outras coisas que você pode comprar com criptomoedas:

https://cointimes.com.br/o-que-comprar-usando-bitcoin-veja-opcoes/

Telegram se mantém vivo na Rússia graças ao Bitcoin

Segundo o site bitcoinmagazine, o fundador do Telegram e multimilionário Pavel Durov está usando o bitcoin para manter o serviço de mensagens acessível.

Isso acontece pois a agência reguladora  russa Roskomnadzor exigiu acesso às mensagens de todos os usuários no país. Durov se negou e diversos IPs de acesso ao serviço privativo de mensagens foram banidos.

Para contornar essas sanções Pavel está financiando com bitcoins serviços que de VPN que ajudem a contornar essa situação. Em comunicado feito ontem no VK, rede social russa criada por Pavel, ele agradece a resistência digital que mantém o Telegram vivo, apesar dos “mais de 18 milhões de Ips bloqueados”:

Uma situação semelhante aconteceu com Julian Assange em 2011, no famoso Banking blockade ao Wikileaks, quando o governo norte-americano bloqueou o acesso aos sites da organização e proibiu todos os bancos e empresas de pagamento de operarem qualquer transação que pudesse financiar o Wikileaks.

Em ambos os casos o Estado com suas armas e aparato opressivo não conseguiu controlar o Bitcoin e o livre mercado, no caso do Wikileaks a organização saiu mais forte e com alguns milhares de Bitcoins no bolso.

A notícia completa com essa batalha pela privacidade pode ser vista no site da Bitcoinmagazine.

Operação Lucro Fácil

Segundo o portal de notícias G1, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado deflagrou uma operação contra pirâmides financeiras nesta terça-feira dia 17.

Foram 8 mandados de busca e apreensão expedidos para as cidades de São Paulo e Campo Grande, os policiais estiveram nas empresas MinerWorld, Bit Ofertas e Bit Pago.

A maior parte das empresas de mineração são fraudulentas, sempre suspeite de “lucros garantidos” e ofertas com retornos muito acima do mercado.

Veja a notícia completa no site do G1.

Bancos atacam no Chile

O cerco às exchanges e hubs de criptomoedas está aumentando, dessa vez o ataque foi no Chile.

Segundo o site Criptomoedas Fácil, o Scotiabank, um dos principais bancos chilenos fechou a conta de diversas exchanges. A desculpa dessa vez foi que “o mercado de criptomoedas só pode ser caracterizado como uma atividade altamente arriscada, dada sua potencial ligação com o comércio ilegal”, disse o Scotiabank.

Vale lembrar que o dólar é a moeda mais utilizada para venda de produtos ilegais e que a maior parte dos blockchains são rastreáveis ou contemplam alguns vetores de ataque contra o anonimato bem conhecidos, como o blockchain do Bitcoin.

Os usuários e defensores da inovação tecnológica se uniram e criaram a hastag #ChileQuiereCryptos, que virou trending topic no Twitter.

Não quer perder as notícias e dicas mais importantes sobre bitcoins, criptomoedas e investimentos? Siga-nos no Twitter e Facebook.

Compre e venda Bitcoin e outras criptomoedas na Coinext
A corretora completa para investir com segurança e praticidade nas criptomoedas mais negociadas do mundo.
Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

Posts relacionados

Como minerar Monero em casa, tutorial passo a passo

Neto Guaraci
2 de dezembro de 2019

Bitcoin se torna alternativa para Argentina economicamente fraca

Gustavo Marinho
14 de dezembro de 2020

Maiores baleias do Ethereum estão acumulando essas moedas, veja quais

Gustavo Marinho
20 de novembro de 2021
Sair da versão mobile