A história da economia é algo esclarecedor, estudando o passado podemos entender como o ser humano age no seu dia-a-dia e as implicações econômicas dessas ações.

Hoje vou mostrar como a primeira grande crise financeira registrada foi criada e o que ela tem a nos ensinar em um mundo computadorizado e robótico.

A economia Romana

Quando falamos em crises financeiras logo imaginamos nossos modernos índices caindo, trilhões de dólares sumindo e a fatídica imagens de influenciadores se dando mal.

Porém, no ano 33 DC no Império Romano as coisas não eram tão modernas, contudo, muitos conceitos atuais nasceram nessa época.


Quer ganhar Bitcoins?
A gente te ajuda nisso.
Abra uma conta grátis!


 

Por exemplo, a prática de guardar apenas uma pequena porcentagem do dinheiro depositado no banco era comum no Império. A famosa reserva fracionária.

A desvalorização da moeda, colocando mais prata em moedas de ouro, algo comum no Império, é comparável a ideia de imprimir mais papel-moeda para pagar dívidas.

Diferente do que vemos em filmes, a população do Império Romano vivia miseravelmente. Com um PIB equivalente a 33 bilhões de dólares, o império tinha um PIB per capita pior do que qualquer nação moderna.

Os romanos tinham aquedutos, um exército organizado e construções monumentais, mas eram uma civilização majoritariamente agrária. Ou seja, boa parte da população e do PIB vinham do campo.

A combinação dos fatores acima se uniram para criar a primeira crise financeira.

Enquanto Jesus assustava os vendedores de vinho da Galileia transformando a água, o Imperador Tibério desenterraria uma lei desastrosa.

Adivinha quem causou a crise?

Como falamos, a agricultura era essencial para a economia e um grande orgulho para os romanos. Por isso, Júlio César criou uma lei que obrigava os senadores a investirem parte dos seus ganhos com empréstimos em terras.

Mas sabe aquela lei que ninguém cumpre? Pois bem! A lei de César foi ignorada por muito tempo.

Pouco tempo depois da queda de Júlio César, assumiu Otávio Augusto, e o primeiro imperador teve a brilhante ideia de aumentar a produção agrícola com uma medida simples, diminuir os juros.

Segundo dados de um estudo de Harvard, Augusto diminuiu os juros de 12% para 4% na canetada. Isso te lembra alguém?

Dilma não seria reeleita hoje, mostra pesquisa - ÉPOCA | Felipe Patury
Dilma Augusta

Como resultado, os grandes emprestadores tiveram que realocar seus recursos para partes distantes do império. Adicionalmente, o dinheiro que era emprestado começou sair do império para comprar produtos em outras regiões.

Por pressões de moralistas, Tibério teve que desenterrar a lei de César, e, sem surpresa, viu que nenhum dos 600 senadores estavam cumprindo-a.

Foi dado um período para os senadores se adequarem.

Ao mesmo tempo em que essa lei voltava a vigorar, um navio carregando grandes quantidades de ouro de um banco romano naufragou. As colheitas do ano também estavam em declínio.

A explosão da crise

Quando Publius Spencer tentou sacar 30 milhões de sesterces do banco Balbus Ollius, a empresa não tinha todos os recursos e acabou fechando.

Com a nova lei, os senadores (a classe mais rica de Roma) colocou mais pressão nos bancos que acabaram falindo um atrás do outro.

Crise imobiliária

Os bancos que sobraram começaram a pedir a devolução dos seus empréstimos. Como os próprios donos não tinham dinheiro, eles tiveram que vender suas propriedades.

Como resultado, tivemos uma crise imobiliária. O preço dos bens colapsaram e o pânico estava instaurado no império.

A diminuição da taxa de juros na canetada, o barco afundando com milhares de moedas, os senadores sendo obrigados a sacar grandes quantidades e o sistema de reservas confluíram para gerar a primeira grande crise da história.

O primeiro Bailout e Keynes FTW

Image of sestarii coins
Moeda romana

Para remediar a crise, Augusto enviou para o senado uma ordem ao Banco Central.

Foi decretado que 100 milhões de sesterces fossem tirados do tesouro e distribuídos para bancos de confiança. Nenhum juro deveria ser cobrado por 3 anos.

Estima-se que essa injeção de liquidez equivaleu a ~10% do PIB romano, uma verdadeira fortuna para a época.

Basicamente o imperador injetou dinheiro na economia, não muito diferente do que o Banco Central está fazendo agora e fez em proporções menores na crise de 2008.

Ao reler a história da economia vemos diversas semelhanças com nossa realidade. Os imperadores criando leis horríveis continuam, as injeções de liquidez e até o dinheiro para os bailouts.

Será que não está na hora de um plano B?

BitcoinToYou –  Negocie criptomoedas sem pagar taxa   A primeira corretora do Brasil, negociamos criptomoedas desde 2010.  Abra sua conta grátis!   Abrir conta

BitPreço, o maior marketplace da América Latina. Compare os preços das principais exchanges do Brasil e mundo, e compre Bitcoin, Ethereum e USDT pelo melhor preço sempre.

Crie sua conta grátis agora!