Em um ‘tweet’ feito há poucas horas, Donald Trump avisou que vai restaurar as tarifas sobre a importação do aço e alumínio da Argentina e Brasil.

Segundo o presidente norte-americano, o Brasil estaria desvalorizando sua moeda de propósito, tornando a competição com os produtores norte-americanos injusta.

“Brasil e Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas. O que não é bom para os nossos agricultores. Portanto, com efeito imediato, restaurarei as Tarifas em todo Aço e Alumínio enviado para os EUA a partir desses países. ….”

“….. O FED [banco central dos Estados Unidos] também deve agir para que os países, dos quais existem muitos, não aproveitem mais nosso dólar forte, desvalorizando ainda mais suas moedas. Isso torna muito difícil para nossos fabricantes e agricultores exportar seus produtos de maneira justa”, disse Trump no Twitter.

Essa é apenas uma das muitas tarifas impostas e previstas pelo governo Donald Trump, que pretende ganhar votos de agricultores e pequenos industriais através de proteção tarifária.

Segundo a organização Tax Foundation, as tarifas de Trump resultaram na arrecadação de US$ 202 bilhões em 2018. Entretanto, elas podem reduzir o PIB norte-americano em -0,66% no longo prazo.

A resposta de Bolsonaro

Bolsonaro já foi questionado sobre o aumento das tarifas. Ele disse que falará com Paulo Guedes e se necessário com o próprio Trump.

“Vou falar com Guedes hoje. Alumínio? Vou falar com o Paulo Guedes agora. Vou conversar com o Paulo Guedes. Se for o caso, ligo para o Trump. Eu tenho um canal aberto com ele.”, disse Bolsonaro.

Em março de 2018, Trump anunciou tarifas de importação sobre o aço e alumínio, alegando problemas com segurança nacional.

Contundo, em agosto do mesmo ano, o presidente norte-americano anunciou a flexibilização das tarifas para o Brasil, Argentina e Coreia do Sul.