O fazendeiro venezuelano Roberto Latini teme que sua chance de plantar a safra deste ano esteja acabando rapidamente.

Ele esperava semear milho, mas não conseguiu encontrar o combustível para operar seus caminhões e equipamentos antes do final da estação seca. Então, ele olhou para o arroz, que pode ser plantado mesmo com fortes chuvas. Semanas depois, o combustível ainda é pouco e “com o passar do tempo, está ficando muito tarde para semear”, disse Latini.

Após sete anos de colapso econômico, a crise da Venezuela entrou em uma nova e preocupante fase. Em uma nação que abriga as maiores reservas de petróleo do mundo, a escassez de combustível cresceu tanto que os campos estão ficando vazios.

A Venezuela está agora à beira da fome, alerta o Grupo Internacional de Crises. Mais da metade da terra usada para cultivar legumes no ano passado não será replantada, de acordo com a federação agrícola Fedeagro.

Coinext 760x150

 

A produção de milho deverá cobrir menos de um quarto da demanda nacional. E o vício apertado das sanções dos EUA ameaça estrangular a pouca comida e óleo que está recebendo do exterior.

“Começaremos a ver as consequências disso nos próximos meses”, disse o presidente da Fedeagro, Aquiles Hopkins. Já, “estamos comendo vegetais que foram plantados há dois ou três meses, arroz que foi semeado há seis meses e milho do ciclo da safra anterior”.

Crise de combustível dificulta colheita na Venezuela
Problemas na colheita: Crises de combustível ameaçam exacerbar declínio agrícola da Venezuela. Em preto, Arroz; em rosa, Milho; em amarelo, milho-zaburro ou sorgo. Fonte: Fedeagro.

Os campos de petróleo em toda a Venezuela fecharam em meio à implacável campanha dos EUA para cortar o país dos mercados globais. Evidências de escassez de combustível estão por toda parte. As ambulâncias não funcionam, as redes de telecomunicações estão falhando e alguns agricultores desistiram totalmente de máquinas – usando bois no lugar.

Uma remessa de petróleo do Irã que chegou no final do mês passado pode ter afetado a escassez de Caracas, mas fazendeiros como Latini dizem que não viram muita evidência disso no campo. Latini, cuja fazenda está localizada no centro de cultivo de Turen, disse que sua única opção é esperar o dia todo em um posto de gasolina – o limite diário de 30 litros não é suficiente – ou desembolsar US$ 4 por litro (US$ 15 por galão) no mercado negro.

Escalando de volta

Para o nordeste, o cultivador de milho Celso Fantinel disse que não vê seus campos há dias. O preço do combustível significa que ele não pode se dar ao luxo de fazer a ida e volta de 320 quilômetros com muita frequência.

Com a estação chuvosa naquela parte da Venezuela ainda a um mês, Fantinel pretende começar a plantar sua colheita na segunda-feira. Mas a falta de combustível e pesticidas, combinada com a falta de crédito, o forçaram a reduzir para apenas 300 hectares (741 acres) de milho, menos de um terço do que ele costumava semear.

As máquinas de plantar de Fantinel usam diesel, que é isento de sanções dos EUA, mas ainda é escasso e caro. O produtor estadual sem dinheiro, conhecido como PDVSA, não pode fazer ou importar o suficiente.

“Sem combustível, você não pode atender às necessidades diárias da fazenda”, disse Fantinel. “Se você precisar trazer um técnico da cidade, uma peça de reposição ou até comida para os trabalhadores, é impossível.”

Cerca de 9,3 milhões de venezuelanos, ou um terço de todas as pessoas no país, não têm comida suficiente para comer ou estão desnutridos devido à quantidade e qualidade, de acordo com um relatório de 2020 de 16 organizações, incluindo agências das Nações Unidas e União Européia.

Definido para piorar

A queda de um ano significa que apenas uma em cada seis usinas de açúcar está operando, enquanto a indústria de leite e laticínios está funcionando com 12% da capacidade e a produção não chega aos centros de distribuição, de acordo com a Fedeagro.

A situação deve piorar, mesmo quando o governo tenta aliviar a dor com US$ 20 milhões em crédito agrícola, enquanto a FAO-Venezuela distribui fertilizantes e sementes.

Nos últimos anos, o governo importou mais da metade do milho necessário, o que é essencial nas dietas locais e o principal ingrediente de um prato popular conhecido como arepa. Mas com uma moeda praticamente sem valor, diminuindo as reservas e sanções estrangeiras, ela teve que ser criativa para chegar a acordos.

No ano passado, concordou em trocar petróleo por caminhões de milho e água, mas desde então a empresa do outro lado do acordo faliu.

Enquanto isso, o governo Trump está preparando sanções para até 50 petroleiros e tanques de combustível como parte de um esforço para interromper o comércio entre o Irã e a Venezuela, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

E os bloqueios da Covid-19 na Colômbia e no Equador estão levando uma enxurrada de refugiados a voltar para casa, aumentando a demanda por alimentos.

Preços alavancados

Gerson Pabon disse que os agricultores do estado de Tachira, onde ele cultiva verduras, recebem regularmente gás e pesticidas da vizinha Colômbia. Eles pagam taxas do mercado internacional pelos insumos e depois aumentam os preços de seus produtos para refletir esses custos.

A inflação de alimentos na Venezuela atingiu 251% nos primeiros quatro meses do ano, segundo o grupo de pesquisa de Caracas, Cenda. A produção de milho nesta temporada pode chegar a cerca de 350.000 toneladas, em comparação com 450.000 toneladas em 2019, de acordo com Fantinel, que também é vice-presidente da Fedeagro. A Venezuela consome normalmente 1,6 milhão de toneladas.

A crise não é apenas sobre o direito básico à alimentação, “mas o direito à qualidade e quantidade”, disse Carlos Machado-Allison, professor da escola de negócios IESA em Caracas. “Não se trata apenas de ter uma arepa diária nas mesas, nem calorias suficientes, mas qualidade de vida”.


Invista em criptomoedas com segurança, alta liquidez e as menores taxas do mercado.

NovaDAX: a exchange mais completa do Brasil com mais de 25 criptomoedas listadas e a melhor nota de atendimento ao cliente.

Conheça novadax.com.br