A concepção popular é que a indústria de criptomoedas é predominantemente masculina. No ano passado uma postagem do blog do Fórum Econômico Mundial perguntava por que tão poucas mulheres estavam comprando Bitcoin.

A Grayscale Investments acha que a resposta é simples falta de informação.

A empresa por trás do Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) e outros fundos atrelados aos preços das criptomoedas encomendou um estudo das percepções dos investidores sobre o Bitcoin.

A Grayscale descobriu que pouco mais de um terço dos investidores americanos estão interessados ​​em Bitcoin (mais de 20 milhões de pessoas) e, desse grupo interessado, 43% são mulheres.

Dadas as várias qualidades de investimento do Bitcoin para escolher, as mulheres eram mais propensas que os homens a dizer que gostam da capacidade de investir em quantias muito pequenas (um equívoco comum é que você deve comprar um bitcoin inteiro, atualmente no valor de US$ 7.000 – esse não é o caso), a capacidade de vender a qualquer momento (os mercados de criptografia nunca “fecham” como os mercados de ações), e elas acreditam que o bitcoin é uma aposta de alto risco e alta recompensa que tem potencial para retornos muito altos.

O estudo foi conduzido pela Q8 Research, que pesquisou 1.100 investidores norte-americanos (definidos como tendo pelo menos US$ 50.000 em renda familiar e US$ 10.000 em ativos para investimento doméstico), com idades entre 25 e 64.

Certamente, estar “interessado” em investir em bitcoin pode não ser muito. O interesse nem sempre leva à ação. No entanto, a Grayscale vê promessas nos resultados da pesquisa.

Continue lendo: Criptomoedas para ficar de olho em 2020