Aprovada recentemente pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), foi divulgado em nota pelo Banco Central do Brasil que haverá a emissão de novas cédulas no valor de R$ 200, estrelando o lobo-guará como animal de escolha.

A previsão é que as novas notas comecem a circular no país ao final de agosto deste ano.

Segundo o Banco Central do Brasil, 450 milhões de cédulas de R$ 200 devem ser impressas até o final do ano, ou seja, 90 bilhões em cédulas de 200 reais devem estar em circulação.

Além disso, foi anunciado que a diretora de Administração do Banco Central, Carolina de Assis Barros, dará uma entrevista coletiva virtual às 16h desta quarta-feira (29) por meio do canal do Banco Central no Youtube.

Justificativa

Em live, a diretora de Administração do Banco Central explicou que em meio a pandemia, a população passou a demandar mais papel moeda em circulação. O aumento da procura por numerários levou ao consequente aumento da demanda pela impressão de dinheiro.

Como relatamos recentemente, o BC protocolou um pedido de impressão de R$ 437 milhões, pois faltava dinheiro para pagar o auxílio emergencial.

Em resposta ao Cointimes, foi dito:

Cointimes: “Gostaríamos de saber se a decisão tem relação com algum certo nível de inflação esperada pelo BC, já que cédulas maiores são comumente usadas em países que não conseguiram controlar sua inflação interna.”

Não há relação da emissão de novas cédulas com a situação da inflação no país, mas sim apenas serão sancionadas novas notas para atender à demanda de dinheiro gerada pelo Auxílio Emergencial.

Cointimes: “Também é importante saber se existirá de fato uma expansão monetária com a impressão das novas cédulas, ou se elas apenas substituirão cédulas antigas.”

Fernando Rocha, chefe do Departamento de Estatísticas do BC:

“A expansão monetária vem exatamente da linha de maior demanda do público por papel moeda que a gente tem observado desde março e abril.

Já vemos o crescimento tanto pelo papel moeda em poder do público, seja o papel moeda emitido na condição específica da economia brasileira atual, dentre outras pelo impacto do Auxílio Emergencial.

A expansão da base monetária já vem ocorrendo nos últimos meses e essa medida do BC vai ao encontro com a demanda da população brasileira com objetivo de sancionar essa demanda e não haver nenhuma escassez de meio circulante.

É importante repetir o comentário da diretora de que não há relação mecânica ou direta com essa expansão de base monetária que já vem ocorrendo nos últimos meses, entre a medida anunciada hoje e a inflação. Esta continua baixa, estável e comportada, com o Banco Central analisando o comportamento da inflação sem que haja perspectiva de elevação.

Imagem da apresentação veiculada pelo Banco Central no Youtube. Foto: Reprodução / Banco Central