Os principais bancos do mundo estão enviando centenas de funcionários para locais de recuperação de desastres, em preparação para surto de coronavírus, informou o Financial Times.

O JPMorgan, Citigroup, Morgan Stanley e Goldman Sachs teriam testado bunkers em Londres e nos EUA recentemente, distribuindo funcionários entre locais externos para garantir que um único incidente de coronavírus não prejudique sua capacidade continuar negociando.


Veja também: PIB de Bolsonaro é menor, mas puxado pela iniciativa privada


Fontes do Financial Times disseram que o Citigroup chegou ao ponto de instalar telas extras nas casas dos funcionários, para que eles trabalhem remotamente durante o pregão.

homem na frente do computador trabalhando em casa

O que seria do Brasil sem a Faria Lima?

Enquanto o Brasil, no momento da publicação desta matéria, já tem 8 casos confirmados de coronavírus, sendo 6 deles em São Paulo, a tensão de que isso se espalhe pelo condado da Faria Lima está crescendo.

Tudo começou com um funcionário na XP Investimentos, que tinha viajado para a Itália na última semana e retornou ao Brasil com o COVID-19.

Após a confirmação do caso, por precaução, a XP afastou funcionários que tiveram contato com o paciente. Além disso, agora tem álcool em gel disponível na mesa dos demais funcionários.

Caso o vírus venha a se espalhar ainda mais por São Paulo, é bem provável que a maioria das corretoras tenham que se adaptar expandindo ainda mais o trabalho remoto.

Trabalhando de casa, sem maiores contatos com outras pessoas. Qual a sua opinião, as empresas brasileiras também deveriam começar a se precaver desde já? Deixe um comentário abaixo!