Em 30 de setembro, nasceu o primeiro filho de José Rafael Peña, engenheiro venezuelano, seu filho Adrián nasceu em Caracas, Venezuela. Em seu depoimento, José conta que, em meio a crise econômica, o parto e os demais custos médicos foram pagos em uma clínica privada graças ao seu trabalho duro e economias em Bitcoin.

José Rafael Peña Gholan explicou o motivo de escolher Bitcoin como reserva de valor,

“Morar na Venezuela me levou a encontrar maneiras de me proteger. E uma opção é o Bitcoin. Nos últimos dois anos, recebi meu salário inteiro em Bitcoin. Estou plenamente ciente da volatilidade do Bitcoin, mas ainda parece muito mais seguro que o bolivar venezuelano hiperinflado.”

Recomendado para você:
++ O que aconteceu com a família que vendeu tudo para comprar Bitcoin?

A preocupação com os gastos do parto

Desde o momento em que ele soube que seria pai, começou a pensar nos altos custos de uma clínica decente para sua esposa e filho. Há alguns anos atrás, uma clínica privada custaria algo entre 500 e 700 dólares. Na clínica particular que o casal acabou usando, o preço mínimo de um parto é 1500 dólares.

Vale a pena notar que esta clínica privada está entre as mais acessíveis. Existem clínicas em Caracas que cobram US$6000 por uma cesária. Mesmo que atualmente, o salário mínimo na Venezuela é de 300.000 VES, ou cerca de US$ 16 por mês.

Bolívares são meios de troca, mas não servem mais como unidade de conta

José Rafael explica também que a maioria das empresas precifica seus bens e serviços em dólares para se proteger da hiperinflação. E depois os clientes podem pagar em bolívares usando a taxa de câmbio do dia VES/USD, ou diretamente em dólares, se os tiver.

O venezuelano no entanto preferiu deixar as suas economias em Bitcoin do que em dólar, pois nos últimos anos o Bitcoin valorizou significativamente em relação ao dólar.

No entanto, se o casal tivesse poupado tudo em bolívares, os custos médicos do parto do bebê Adrian teriam excedido suas economias. Restando como opção apenas a maternidade pública, saturada de pacientes, carecendo de orçamento para suprimentos e com pouca atenção pessoal.

Maternidade pública não era uma opção

O engenheiro sentiu sua responsabilidade de pai, seu objetivo era dar o melhor para sua família. Diz ele:

“Eu ouvi histórias sobre as condições nessas maternidades. Alguns funcionários desses hospitais públicos aparentemente recebem salários baixos, levando a poucos funcionários capazes. Isso pode levar à falta de cuidados ou até maus-tratos a mulheres em trabalho de parto. Também ouvi falar de mulheres em trabalho de parto que duram dias, durante os quais são deixadas sozinhas com seu bebê, ou de mulheres exaustos deixando seus bebês cair da cama.

Não havia como eu deixar minha esposa ser tratada dessa maneira.”

José conhecia a precariedade do serviço estatal, e portanto ele estava disposto a correr riscos para dar o melhor para sua esposa e filho.

“Aquela semana não foi fácil para mim. Eu assisti o preço baixar e não sabia se deveria trocar por um stablecoin para me proteger de outra queda, ou simplesmente não fazer nada e esperar que o preço do Bitcoin se recuperasse antes de 30 de setembro, quando eu tive que pagar pelo nascimento do meu Filho.

Eu escolhi esperar. Infelizmente, o preço do Bitcoin não voltou a US$ 10.000 naquela semana. Assim, tomei uma perda e paguei a conta da clínica a uma taxa de câmbio de US$ 8200 por 1 BTC.”

A venda dos bitcoins

O homem relata que vendeu seus bitcoins no LocalBitcoins, site de escrow de P2P, e estava nervoso durante todo o processo. A venda foi feita no mesmo dia em que sua esposa deu a luz, o que José admite que foi um movimento descuidado da parte dele, e portanto o deixou nervoso.

Havia temor de que o comprador simplesmente demorasse a respondê-lo, ou pior, de que o banco bloqueasse a transferência por ser uma soma suspeita de dinheiro. Sua contraparte enviou seis transferências de valores diferentes de quatro contas do mesmo banco, provavelmente para evitar o bloqueio de qualquer transferência.

Depois de receber seus bolívares, adiantou o pagamento à clínica com duas transferências bancárias, sem problemas. Depois da última transferência, relatou sentir um alívio e alegria que foram logo superados pelo momento em que viu o bebê Adrian.

José relata que, por um momento, ele esqueceu de todos os encargos que teve que pagar, mas ainda sim estava orgulhoso e feliz por ter pago tudo de seu jeito, usando Bitcoin.

José finalizou seu relato com uma opinião:

“Costumo ver pessoas nas mídias sociais dizendo que o Bitcoin não tem uso real além da especulação do mercado. Em países sem sérios problemas econômicos, talvez isso seja verdade. Mas países como a Venezuela, onde a economia é disfuncional, mostram o maior potencial do Bitcoin. A história do nascimento do meu filho é uma ilustração disso.”


Recomendado para você: Bitcoin é seguro?