@CobraBitcoin é um dos donos do site “Bitcoin.org” e uma figura emblemática no mercado de criptomoedas – principalmente pelo seu anonimato. Sendo um dos primeiros usuários de bitcoin, ele está negativo com o papel da criptomoeda como hedge.

Para ele, o mercado de criptomoedas será seriamente afetado no caso de uma recessão e colapso do mercado de ações.

“O maior erro de investimento que você pode cometer é assumir que o Bitcoin e as criptomoedas em geral são um hedge contra o sistema financeiro tradicional e acreditar ingenuamente que o Bitcoin negará suas perdas da recessão e colapso do mercado de ações.”, disse Cobra.

Bitcoin a US$1000,00?

Como resultado de uma crise ainda maior, @CobraBitcoin acredita que a criptomoeda pode alcançar o patamar de US$1000,00 – US$2000,00, ou seja, R$5 mil – R$10 mil.

Se entrarmos em uma profunda depressão, eu não ficaria surpreso se o Bitcoin estivesse negociando entre US $ 1000 e US $ 2000, apenas os hodlers mais teimosos permanecerão, o resto terá caído muito, por necessidade, porque eles precisam do dinheiro para alugar, comida, mantendo seus negócios à tona, etc.

Segundo o Coingolive, atualmente o BTC é negociado na faixa dos R$30 mil nas principais exchanges brasileiras.

“As pessoas compram Bitcoin quando têm dinheiro extra para investir em algo arriscado, e isso é durante bons momentos, porque quando os tempos são bons, você pode se dar ao luxo de jogar e sonhar. Ninguém vai comprar o BTC quando perder o emprego, não puder pagar sua casa e estiver lutando para sobreviver.”, tweetou CobraBitcoin.

Além disso, ele ainda afirmou que o mercado de criptomoedas é sustentado por “novatos” gananciosos.

“Todo o mercado de criptomoedas é sustentado quase inteiramente por novatos pulando às cegas e comprando moedas apenas por causa de expectativas gananciosas de valor futuro, valor baseado na percepção e não em nenhuma utilidade, eles serão descartados primeiro quando a merda se tornar realidade.”

O outro lado da moeda

Entretanto, alguns dados contradizem as opiniões de Cobra.

Conforme mostramos no post “Cigarros, armas e as moedas da crise“, o Bitcoin tem se mostrado resiliente quando temos uma recessão seguida por forte inflação.

E segundo Petter Shiff, investidor que previu a crise de 2008, estamos caminhando para um cenário de hiperinflação e recessão, ou seja, há possibilidades que o Bitcoin saia fortalecido da crise.

Além do mais, cada vez mais negócios estão aceitando bitcoin como moeda de troca, apesar da narrativa de que a criptomoeda não deve ser gasta.

Um dos casos de sucesso é a carteira brasileira BITFY, com ela é possível usar bitcoin em qualquer estabelecimento que tenha a máquina da Cielo.

E aí, você acha que @CobraBitcoin está certo? Bitcoin é ou não um hedge contra crises? Deixe sua opinião nos comentários.