Breaking News  
Como a China está criando sua própria internet? Bitcoin

Como a China está criando sua própria internet?

Como a China está conseguindo bater de frente com os Estados Unidos em tecnologia?

Cointimes
Cointimes

Estávamos nos anos 2000 e Bill Clinton estava otimista. A internet, ele disse, estava abrindo o mundo.

“Não há dúvida de que a China está tentando reprimir a internet”, disse ele. “Boa sorte. É como tentar pregar gelatina na parede.”

A internet inevitavelmente levaria a China à democracia, dizia Bill Clinton. Afinal, como qualquer país poderia controlar algo tão fluído e livre, como a internet, e ainda esperar ser tecnologicamente vibrante? 

Ele estava errado. Hoje, a China tem as únicas empresas de internet do mundo que podem bater de frente com a ambição e alcance das empresas americanas.

china
Fonte: S&P Global Market, 15 de Novembro de 2015

A China está a anos à frente dos Estados Unidos para substituir o papel-moeda pelos pagamentos feitos através de smartphones, transformando os gigantes da tecnologia em guardiões vitais da economia de consumo.

E a China também é palco de uma supernova de expressão criativa – em pequenos vídeos, podcasts, blogs e streaming de TV – que deve dissipar quaisquer noções de cultura chinesa como conformista ou sem personalidade.

Tudo isso, em um espaço do ciberespaço que está separado do Facebook e do Google, policiado por dezenas de milhares de censores e sujeito a controles rígidos sobre como os dados são coletados, armazenados e compartilhados.

Os líderes da China gostam da internet que criaram. E agora, eles querem direcionar o talento da nação e a perspicácia tecnológica para um fim ainda mais elevado: construir uma economia voltada para a inovação, que produza empresas líderes mundiais.

Não muito tempo atrás, as empresas de tecnologia chinesas eram mais conhecidas por copiarem empresas do Vale do Silício.

comparação entre aplicativos da china e aplicativos americanos

Mas o fluxo de inspiração agora funciona nos dois sentidos. Executivos 
americanos de mídia social agora procuram a Tencent e a ByteDance para aprender alguns truques com objetivo de manter os usuários colados em seus telefones.

O aplicativo WeChat da Tencent, um ponto central para socializar, jogar, pagar contas, reservar bilhetes de trem e muito mais, abriu o caminho para os aplicativos de bate-papo cada vez mais repletos de recursos feitos pelo Facebook e pela Apple.

O Facebook recentemente copiou os Stories do TikTok, um serviço chinês que é uma sensação entre os jovens do Ocidente, lançando seu próprio aplicativo altamente similar para criar vídeos curtos e bobos.

Se as pessoas no Ocidente não perceberam isso, foi porque confundiram o autoritarismo da China com a hostilidade em relação à tecnologia.

Mas, de certa forma, as empresas de tecnologia chinesas são menos ligadas que as americanas. Testemunhe a reação contra o Big Data nos Estados Unidos, os pedidos para acabar com gigantes como o Facebook e a ansiedade sobre o vício digital. Nenhum desses é um grande problema para as empresas chinesas.

Na China, há praticamente apenas uma regra, e é simples: não prejudique o estado.

Então titãs como Weibo e Baidu atendem a ordens de censura. Crenças e ideologias indesejadas são mantidas fora.

Tirando tudo isso, tudo é um jogo justo. Start-ups podem alcançar escala gigantesca com velocidade surpreendente; elas também podem quebrar brutalmente. Graças às fracas proteções à propriedade intelectual, elas podem se canibalizar – o que não é bom para recompensar a inovação, mas é O.K. para os consumidores, que recebem muitas opções.

E o dinheiro continua fluindo.

empresas financiadas na china

Fonte: S&P Global Market, 15 de Novembro de 2015

As indústrias tradicionais, como as de mídia, finanças e saúde, foram dominadas por grandes gigantes estatais. Isso permitiu que os campeões da Internet, como o Alibaba e o Tencent, costurassem esses negócios com facilidade.

Com suas plataformas de pagamentos móveis, os dois gigantes construíram ecossistemas em expansão nos quais grandes quantidades de atividades comerciais agora ocorrem. Pequenos momentos da vida cotidiana foram transformados. Compras. Conseguir um empréstimo. Alugar uma bicicleta. Até mesmo ir ao médico.

Esse nível de influência não passou despercebido pelos líderes chineses. Nunca na era comunista, entidades privadas exerciam tal influência sobre a vida das pessoas.

Para manter a tecnologia em seu lugar, o governo está exigindo participações nas empresas e influência sobre a administração. Os reguladores têm repreendido as plataformas on-line por hospedar conteúdo que consideram desagradável – muito obsceno, muito assustador ou muito estranho.

É por isso que a melhor maneira das empresas de tecnologia prosperarem na China é se tornarem úteis para o estado. Quase todos na China usam o WeChat, tornando a rede social uma ótima maneira das autoridades policiarem o que as pessoas dizem e fazem. O SenseTime, cuja tecnologia de reconhecimento facial potencializa os filtros divertidos em aplicativos de vídeo, também vende software para a aplicação da lei.

O risco para essas empresas é que o governo exige mais, sugando recursos que poderiam ser mais bem aproveitados ao perseguir inovações ou entrar em novos mercados.

Na China, diz Lance Noble, da empresa de pesquisa Gavekal Dragonomics, o apoio do governo “pode ser uma bênção e uma maldição”.

Adaptado e traduzido de The NY Times.

Leia também:

Gostou do conteúdo? Quer receber mais análises como essa? Então se inscreva no canal do Cointimes no Youtube e siga o FacebookTwitter e Instagram.

Cointimes
Cointimes

Cointimes é um portal de conteúdo sobre a nova economia que está mudando o mundo. Aqui é um espaço aberto que busca ajudar a mudar a vida das pessoas através do conhecimento sobre blockchain, criptomoedas, educação financeira, investimentos, aplicações descentralizadas, inovação e empreendedorismo digital.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.