Embora hoje os altos níveis de desigualdade nos EUA continuem sendo uma preocupação crucial para grande parte da população, a política monetária e a expansão do crédito raramente são mencionadas como uma provável fonte de crescente desigualdade de riqueza e renda.

Focando quase exclusivamente na inflação de preços ao consumidor, muitos economistas ignoraram os efeitos redistributivos da criação de dinheiro por outros meios. Um desses canais é a inflação dos preços dos ativos e o crescimento do setor financeiro.

O aumento da desigualdade de renda nos últimos 30 anos têm sido, em grande parte, produto de políticas monetárias que alimentam uma série de bolhas de preços de ativos. Sempre que o mercado cresce, a parcela da receita destinada àqueles no topo aumenta. Quando o “boom” fracassa, essa participação cai um pouco, mas depois volta mais alto com a próxima bolha de ativos.

Efeito Cantillon

Os efeitos redistributivos da criação de moedas foram chamados de efeitos de Cantillon por Mark Blaug, em homenagem ao economista franco-irlandês Richard Cantillon, que experimentou o efeito da inflação sob o sistema de papel-moeda de John Law no início do século XVIII.

Cantillon explicou que os primeiros a receber o dinheiro recém-criado, têm seus rendimentos aumentados, enquanto os últimos a receber o dinheiro recém-criado veem seu poder de compra declinar à medida que a inflação dos preços ao consumidor ocorre.

Ludwig von Mises foi o primeiro a enfatizar esses efeitos de Cantillon em termos de análise da utilidade marginal. Com um aumento no estoque de dinheiro, aumentam os saldos em dinheiro dos primeiros receptores do dinheiro recém-criado.

Da mesma forma, a utilidade marginal que eles dão ao dinheiro diminui e os indivíduos em questão compram bens de investimento ou de consumo, aumentando assim os preços desses bens e aumentando os saldos de caixa de seus vendedores. Com esse processo passo a passo, o preço dos produtos aumentará apenas progressivamente e afetará tanto a distribuição de renda e riqueza, quanto as diferentes proporções de preços.

Financeirização, Inflação de preços de Ativos e Desigualdade

De acordo com o efeito Cantillon, a inflação pode aumentar a desigualdade dependendo do canal utilizado, mas o aumento da desigualdade não é uma consequência necessária da inflação. Se os mais pobres da sociedade fossem os primeiros receptores do dinheiro recém-criado, a inflação poderia muito bem ser a causa da diminuição da desigualdade.

Nos Bancos Centrais modernos, no entanto, o dinheiro é criado e injetado na economia através do canal de crédito e afeta primeiro os mercados financeiros. Sob esse sistema, os bancos comerciais e outras instituições financeiras não são apenas os primeiros receptores do dinheiro recém-criado, mas também os principais produtores de dinheiro para crédito.

Veja também: Banco Central do Brasil vai injetar 10 vezes mais dinheiro do que na crise de 2008

Isso ocorre porque os bancos podem conceder empréstimos não garantidos pelo dinheiro base. Em um sistema de banco livre, esse poder de criação de crédito dos bancos é estritamente limitado pela concorrência e pelo processo de compensação.

No entanto, no Banco Central a necessidade de reservas é reduzida, pois bancos podem vender ativos financeiros ao banco central em operações de mercado aberto ou o banco central pode conceder empréstimos a bancos a taxas de juros relativamente baixas. Nos dois casos, os bancos centrais removem os limites da expansão do crédito, determinando o total de reservas no sistema bancário.

Em outras palavras, os bancos comerciais e outras instituições financeiras são creditados com o chamado dinheiro base que não existia antes. Assim, a economia dos efeitos de Cantillon nos diz que as instituições financeiras se beneficiam desproporcionalmente da criação de dinheiro, uma vez que podem comprar mais bens, serviços e ativos por preços ainda relativamente baixos. Esta conclusão é apoiada por inúmeras ilustrações empíricas. Por exemplo, o setor financeiro contribuiu maciçamente para o crescimento da riqueza do bilionário (veja abaixo).

https://cdn.mises.org/styles/full_width/s3/rouanet1_1.png?itok=j9LxKMEz
Contribuição do setor para o crescimento da riqueza e número de bilionários (1996 – 2004, em porcentagens)
Tabela à Esq.: Crescimento de Riqueza; Tabela à Dir.: Crescimento em número de Bilionários.

Podemos listar quatro razões principais pelas quais o crescimento dos mercados financeiros é desencadeado por uma expansão da oferta monetária:

  1. Porque títulos financeiros são frequentemente usados ​​como garantia em contratos de dívida;
  2. Porque a antecipação da inflação de preços, uma característica comum entre todos os regimes de moeda fiduciária, desencoraja a acumulação de dinheiro, incentivando simultaneamente a oferta e a demanda de títulos financeiros;
  3. Porque a produção de dinheiro através dos bancos centrais é uma questão de pura vontade humana e, portanto, propensa a desenvolver um risco moral no mundo financeiro. Isso leva a uma demanda artificialmente alta por títulos financeiros e aumenta a oferta desses títulos da mesma maneira;
  4. Porque a manipulação do crédito por bancos centrais e bancos, diminuindo a taxa de juros no curto prazo, afeta particularmente a demanda por capital e a estrutura de capital durante o ciclo do negócio.

Uma das consequências mais visíveis desse crescimento dos mercados financeiros desencadeada pela expansão monetária é a inflação dos preços dos ativos. Em um sistema monetário completamente sólido, em que o crédito depende apenas da quantidade de poupança e não do crédito fiduciário, há muito pouco espaço para inflação generalizada e persistente dos preços dos ativos, pois a quantidade de fundos que pode ser usada para comprar ativos é estritamente limitada. Em outras palavras, o fenômeno da inflação no preço dos ativos é filho da inflação no crédito.

A inflação dos preços dos ativos, por sua vez, beneficia principalmente os mais ricos da sociedade por várias razões.

Primeiro, os ricos tendem a possuir mais ativos financeiros do que os pobres na proporção de sua renda.

Segundo, é mais fácil para as pessoas mais ricas contraírem dívidas para comprar ações que podem ser vendidas, posteriormente, com lucro. Como o alívio do crédito reduz a taxa de juros e, portanto, os custos de captação, os lucros obtidos com a venda de ativos inflacionados comprados a crédito serão ainda maiores.

Finalmente, a inflação dos preços de ativos que vem com o crescimento dos mercados financeiros beneficiará os trabalhadores, gerentes, comerciantes etc, que trabalham no setor financeiro.

Também beneficiará os CEOs das empresas de capital aberto que receberão mais à medida que o valor de capitalização de sua empresa aumentar. Portanto, a correlação entre preços de ativos e desigualdade de renda tem sido, como esperado, muito forte.

rouanet2_0.png
Azul: Top 0,01% de participação nos lucros dos EUA, incluindo ganhos de capital (eixo esquerdo)
Vermelho: S&P deflacionado pelo CPI (eixo direito)

No entanto, a maioria dos economistas monetários ignorou – e continua ignorando – a inflação dos preços dos ativos e não a vê como consequência de uma oferta monetária inflada. Um leitor de A Monetary History of the US (1963), de Friedman e Schwartz, ou de Allan Meltzer, A History of the Federal Reserve (2004), não encontrará uma menção à inflação dos preços dos ativos.

Esse equívoco leva aos efeitos da inflação sobre a desigualdade serem subestimados ou ignorados. Períodos de crescente desigualdade e inflação monetária, como as décadas de 1920 ou 2000, foram associados a uma alta taxa de inflação de preços de ativos, mas a preços de consumidor relativamente estáveis.

Portanto, focar na inflação de preços ao consumidor como a única variável responsável pela política monetária deixa de fora a maioria dos efeitos da criação de dinheiro sobre a desigualdade.

Desde a crise financeira de 2008, as chamadas políticas monetárias não convencionais têm sido justificadas com base no fato de que algo deve ser feito no curto prazo, já que, como teria dito J.M. Keynes, “a longo prazo, estamos todos mortos”. Mas, como nosso sistema monetário tende a aumentar a desigualdade, e se o objetivo é melhorar os padrões de vida dos menos abastados da sociedade, os bancos centrais e a criação monetária artificial podem ser mais caros do que normalmente assumidos pelos formuladores de políticas.

FONTE: Mises.org, por Louis Rouanet