À medida que a Rússia continua a acumular tropas na fronteira, os grupos de resistência viram um aumento nas doações de criptomoedas.

Os pagamentos de criptomoedas a grupos militares e hacktivistas na Ucrânia com o objetivo de combater a agressão russa contra o país aumentaram significativamente no segundo semestre de 2021, de acordo com a empresa de rastreamento de criptomoedas e análise de blockchain Elliptic.

Os pagamentos de financiamentos coletivos para essas organizações em bitcoin, litecoin, ether e outras criptomoedas que a empresa rastreia atingiram um valor total de cerca de US$ 550.000 no ano passado, em comparação com apenas US$ 6.000 ou mais em 2020 e menos ainda nos anos anteriores, mesmo no auge da invasão da Rússia em 2014.

Esse meio milhão de dólares é, sem dúvida, apenas uma pequena fração do total de fundos que os grupos de defesa e hacktivismo ucranianos arrecadaram por meios mais tradicionais em meio às recentes escaladas da Rússia, diz Tom Robinson, fundador da Elliptic.

Mas o aumento repentino de criptomoedas nessas doações globais demonstra como os pagamentos de criptomoedas sem fronteiras e muitas vezes não regulamentados podem financiar organizações envolvidas em conflitos futuros.

“A criptomoeda é resistente à censura, então não há chance de eles terem seus fundos apreendidos ou sua conta encerrada, como pode acontecer com o PayPal, e também é mais acessível a doações internacionais”, diz Robinson. “Provou ser uma maneira robusta de financiar guerras.”

Um grupo ucraniano chamado Come Back Alive, por exemplo, arrecadou US$ 200.000 para tropas ucranianas apenas no segundo semestre de 2021, segundo a Elliptic. O grupo originalmente solicitou doações para equipamentos militares, como coletes à prova de balas, mas desde então expandiu-se para financiar a compra de sistemas de reconhecimento e direcionamento.

Um porta-voz do grupo disse para o portal Wired que as doações de criptomoedas foram de US$ 166.781, um valor mais modesto que o afirmado pela Elliptic.

Um grupo mais controverso chamado Myrotvorets – ucraniano para “pacificador” – Center nomeou e envergonhou publicamente supostos apoiadores da Rússia ou separatistas pró-russos na Ucrânia – pelo menos dois dos quais foram posteriormente assassinados. Myrotvorets levantou US$ 268.000 em criptomoedas até o momento, segundo a Elliptic, dos quais US$ 237.000 vieram apenas no segundo semestre do ano passado.

Os hacktivistas pró-ucranianos também financiaram cada vez mais sua resistência digital por meio de criptomoedas. A Elliptic rastreou cerca de US$ 100.000 em doações de criptomoedas para um grupo de hackers chamado ucraniano Cyber Alliance, responsável por várias operações de hack-and-leak e desfiguração da web visando russos e agências governamentais russas.

O Cyber Partisans, um grupo hacktivista da Bielorrússia que ganhou atenção global ao lançar um ataque de ransomware politicamente motivado no sistema ferroviário da Bielorrússia, também levantou cerca de US$ 84.000 em criptomoedas. A Elliptic incluiu esse número em seu total de US$ 550.000, apesar do grupo se identificar como bielorrusso em vez de ucraniano, devido ao apoio dos hackers à Ucrânia e exigir que as ferrovias bielorrussas parem de transportar tropas russas em preparação para qualquer invasão da Ucrânia.

Pagamentos a organizações ucranianas de esforço de guerra ou mesmo a hacktivistas pró-ucranianos não são necessariamente ilegais ou violam quaisquer sanções. Mas o Myrotvorets Center disse que pelo menos uma de suas contas do PayPal, destinada a financiar um programa de reconhecimento facial, foi apreendida devido às reclamações sobre “terroristas e russos”.

As exchanges de criptomoedas que convertem bitcoin doado em dólares ou hryvna ucraniano, por outro lado, geralmente são muito menos regulamentadas. E Robinson, da Elliptic, argumenta que a criptomoeda oferece vantagens aos doadores, que podem não querer que seus registros bancários mostrem que enviaram dinheiro para organizações que podem ser percebidas como grupos paramilitares. “Se eu fosse fazer uma doação desse tipo, seria muito melhor usar criptomoedas do que uma transferência bancária”, diz Robinson.

A desvantagem da criptomoeda, é claro, é que, em alguns aspectos, é ainda menos privada do que o sistema bancário tradicional – como mostra a própria capacidade da Elliptic de rastrear as doações dos grupos ucranianos por meio da análise de blockchain.

A concorrente da Elliptic, Chainalysis, por exemplo, identificou um desenvolvedor de software na França que doou US$ 500.000 para muitos participantes do tumulto de 6 de janeiro no Capitólio dos EUA. Robinson disse para a Wired que a Elliptic não tentou identificar doadores individuais para os grupos ucranianos, embora possa ser possível fazê-lo com “algum trabalho braçal”, especialmente se uma agência do governo exigir informações de identificação de exchanges de criptomoedas.

Nem as doações internacionais de criptomoedas destinadas a operações militares são sempre imunes à apreensão. Em outro grupo de casos anunciados em agosto de 2020, o Departamento de Justiça dos EUA rastreou e confiscou cerca de meio milhão de dólares em doações de criptomoedas de uma coleção de organizações terroristas designadas, incluindo a ala militante do grupo palestino Hamas conhecido como al- Brigadas Qassam.

De acordo com a Elliptic, cada um dos destinatários nomeados em sua análise postou publicamente endereços de criptomoedas para receber doações – endereços que raramente mudavam ou não mudavam em alguns casos. Esse tipo de “endereço estático” torna o rastreamento de criptomoedas trivial, em comparação com os casos em que o destinatário gera um novo endereço para cada doador.

“Esta é uma segurança operacional muito ruim e, a essa altura, não é realmente desculpável”, diz Alex Gladstein, diretor de estratégia da Human Rights Foundation e defensor de longa data do uso de bitcoin em movimentos de resistência democrática. “Não é tão difícil receber pagamentos em bitcoin sem reutilização de endereço”, diz ele.

Mas Gladstein também aponta que a privacidade provavelmente não é prioridade para organizações que estão potencialmente lutando pela sobrevivência. Além da Ucrânia, ele aponta para as lutas dos bielorrussos com a ditadura pró-russa do país, na qual milhões de dólares em doações de bitcoin ajudaram a manter os trabalhadores em greve à tona. “Foi realmente uma tábua de salvação para a resistência”, disse.

A ascensão das criptomoedas para financiar a resistência da Ucrânia contra a ameaça russa que paira sobre sua fronteira aponta para uma crescente conscientização do mesmo fenômeno, diz ele: uma forma de financiamento difícil de censurar para captação de recursos verdadeiramente sem fronteiras. “É definitivamente um sinal dos tempos”, diz Gladstein. “As pessoas estão descobrindo que, se suas contas bancárias forem fechadas, elas terão outra opção.”

Veja também:

Compre Bitcoin na Coinext
Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br