A estação chuvosa finalmente atingiu a província de Sichuan – capital da mineração de bitcoin na China e trouxe com ela energia mais barata e problemas para os mineradores.

Concentrando 67% da mineração de bitcoins no mundo, a China depende da província de Sichuan para continua sua dominância na mineração do criptoativo. Sichuan é responsável por 55% da mineração chinesa.

A província finalmente recebeu, com 4 semanas de atraso, a tão esperada estação chuvosa. Contudo, além de receberem enegia mais barata, os mineradores de bitcoin agora precisam lidar com as temidas inundações e deslizamentos de terra que ocorrem com frequência na região.

No ano passado, as fortes chuvas que começaram em agosto e se prolongaram por diversos dias causaram deslizamentos e inundações que destruíram diversas fazendas.

Segundo as últimas informações locais do portal estatal SCMP, os deslizamentos de terra que ocorreram em uma cidade na província de Sichuan na semana passada destruíram várias fazendas de mineração. Mais de 20.000 pessoas foram evacuadas da região e duas pessoas estavam desaparecidas. Afirma-se que a gravidade da precipitação e os danos causados ​​são piores que nos anos anteriores.

Se mais usinas hidrelétricas forem desativadas devido a danos causados ​​pelas inundações, dezenas de operações de mineração poderão ver o acesso à sua principal fonte de eletricidade interrompida.

Como o hashrate do Bitcoin não sofreu muito nos dias desde o início das inundações. Ainda estamos para ver como isso afetará o hashrate a longo prazo. Atualmente, o hasrate está abaixo dos 120 TH/s conforme dados da Blockchain.info:

hasrate do bitcoin

Veja também: Como minerar bitcoin? Como funciona a mineração?