Existem várias razões para começar a investir, mas nenhum momento específico — seja antes de entrar no mercado de trabalho, seja quando estiver progredindo nele. Poupar e investir é aliás, é uma lição que deve ser aprendida desde a primeira infância.

Mas, se não foi aprendida nos primeiros anos de vida, ainda há tempo de sobra para garantir uma reserva financeira emergencial, a construção de um patrimônio confortável e uma aposentadoria feliz.

Aprimorando seus conhecimentos sobre investimentos, perfil investidor e fatores que afetam as rentabilidades dos mercados, um indivíduo pode começar suas aplicações e ter ótimos resultados, com estudo próprio ou com ajuda de especialistas.

Você também quer saber como inserir a cultura do investimento em sua rotina? Conheça as 7 dicas que transformarão a forma de enxergar aplicações, criptomoedas e outras soluções incríveis para crescimento de patrimônio.

1. Trace objetivos realistas

Tudo começa pelos objetivos traçados. Existem diversos motivos para aumentar os ganhos, seja para realizar uma aquisição, fazer uma reserva emergencial, seja para garantir uma aposentadoria confortável.

Na realidade, o mais comum e inteligente a ser feito é definir vários objetivos porque, considerando suas características e desafios, será feita a escolha das melhores aplicações.

Para uma reserva emergencial, por exemplo, a liquidez da aplicação é um fator relevante, assim como, para a aposentadoria, os investimentos com rentabilidade maior a longo prazo podem ser uma boa estratégia.

O que é liquidez?

2. Faça um planejamento para começar a investir

Considerando tais objetivos, o planejamento pode ser organizado de forma inteligente, a começar pelo valor investido em cada tipo de aplicação e quanto isso representará no orçamento mensal.

Também é necessário planejar quais serão os canais de investimento, que, assim como os objetivos e aplicações, podem ter uma estratégia de diversificação. Para grandes investidores recomenda-se, de acordo com o perfil, investir pelo menos 1% do capital em criptoativos.

5 principais livros para quem quer começar a investir

3. Escolha opções adequadas ao perfil do investidor

Seguindo a linha do planejamento, o perfil do investidor é determinante para a escolha da composição de aplicações.

Isso porque algumas aplicações apresentam risco de variação maior ou menor que afeta diretamente sua proporção de ganho. Enquanto alguns investidores lidam com esse panorama com tranquilidade, outros são mais conservadores e preferem opções mais tradicionais e com menor rentabilidade.

Para te ajudar nessa escolha, fizemos um post com os principais perfis de investidores.

Conheça os 3 principais perfis de investidores

4. Conheça todas as opções do mercado

Ainda que esteja fora do perfil investidor atual, conhecer todas as opções e mercados é fundamental para aprimorar estratégias de investimento. Isso porque, à medida que o conhecimento sobre os mercados e opções vai crescendo, aplicações que anteriormente eram vistas como arrojadas podem tornar-se parte da carteira de investimento e potencializar os ganhos.

Geralmente os investidores inicialmente se declaram conservadores. Por exemplo, se surpreendem quando descobrem que bolsas de bitcoins de confiança podem oferecer liquidez diferenciada para seus clientes.

Poupança não é um bom investimento, entenda porquê

5. Escolha sabiamente onde aplicar

Ao mencionar bolsas de bitcoins, é preciso reforçar a importância de escolher instituições de investimentos que sejam confiáveis, independentemente de qual mercado será o alvo deles.

O mercado de criptomoedas, por exemplo, não pode ser chamado de novo, mas em sua curta história muitas corretoras e grupos de investimentos já contribuíram para o prejuízo de investidores que não se preocuparam em analisar sua capacidade técnica e até mesmo idoneidade. Por isso é importante procurar por boas recomendações, tempo de atuação no mercado e transparência empresarial.

Mercado Balcão de Bitcoin (OTC) – Veja o que é

6. Diversifique as aplicações

Outra dica tradicional, porém absoluta. Compor uma carteira de investimentos diversificada traz mais do que proteção ao valor investido. Uma vez que o investidor precisa observar diferentes mercados e condicionantes, a sua capacidade de tomar decisões e realocar valores fica cada vez mais apurada.

Poupança não é um bom investimento, entenda porquê

7. Desenvolva o pensamento crítico

Jornais, gerentes de banco e corretores sempre emitirão suas opiniões, e muitas vezes elas poderão ser tendenciosas. O investidor deve desenvolver seu pensamento crítico desde o início de suas primeiras ações.

Os bitcoins, por exemplo, deslancham como opção de investimento com excelentes retornos financeiros, mas alguns meios de comunicação insistem em criar temores aos aplicadores que querem começar a investir.

Quer mais dicas sobre como começar a investir? Assine nossa newsletter e não perca as principais dicas e notícias do mundo dos investimentos.