Uma vez já foi uma das 10 maiores economias do mundo; as dívidas da Itália se amontoaram a ponto de dependerem dos empréstimos de países vizinhos e do Banco Central Europeu para lidar com atuais déficits.

O Primeiro Ministro Giuseppe Conte enfrenta a situação onde o governo emite empréstimos públicos e acumula dívidas que se aproximam de 140% do PIB atual.

O BCE, por sua vez, passou a restringir alguns gastos, para evitar endividamento excessivo do país.

“Tudo depende de garantias no nível Europeu para evitar uma reação do mercado. O Banco Central Europeu está pronto para realizar as compras necessárias?”

Pietro Reichlin, professor de economia da Universidade Luiss

Para combater a crise e as emergências da Saúde, estarão injetando aproximadamente €50 bilhões (ou R$287 bilhões) na economia. Isso aumentará os empréstimos a até 135% do PIB, mais que o dobro da proporção da Alemanha.

dívidas públicas crescendo na Itália
Elevados níveis da dívida pública do governo da Itália. Fonte: Bloomberg, Eurostat

“A economia local pode recuar 6% neste ano, com o consumo das famílias caindo 6,8% e os investimentos brutos nas empresas caindo 10,6%”, informa relatório da Confederação Geral da Indústria Italiana (Confindustria).

Além disso, a agência da União Européia Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) possivelmente poderá garantir créditos aprimorados para auxiliar o governo.

O possível fim de um bloco?

Porém, o medo de muitos políticos, empresários e banqueiros é o da Itália fragmentar o bloco econômico com seus elevados endividamentos generalizados, por consequência da crise.

“Níveis de dívida pública muito mais altos se tornarão uma característica permanente de nossas economias e serão acompanhados pelo cancelamento da dívida privada”.

“A alternativa, uma destruição permanente da capacidade produtiva e da base fiscal, seria muito mais prejudicial”.

Ex-presidente italiano do BCE, Mario Draghi, em artigo de opinião para o Financial Times

Por conseguinte, o BCE sucateou limites de compras de títulos para o programa de emergência de 750 bilhões de euros.

“Sem ajuda e garantias das instituições europeias, a Itália provavelmente já estaria em uma crise de dívida soberana.

Felizmente, o BCE manifestou claramente sua disposição de extinguir quaisquer incêndios no mercado de títulos do país com o Programa de Compra de Pandemia.

Além disso, o ESM fornece um pano de fundo para amenizar as preocupações dos investidores.”

David Powell, comentarista de economia do Bloomberg

De acordo com o ex-primeiro-ministro italiano Mario Monti, acredita que os membros mais ricos do euro (como Alemanha e Holanda) deveriam se inscrever na emissão conjunta de dívidas para ajudar os países mais pobres nos tempos difíceis.

Em entrevista ao Sky TG24, ele disse que a alternativa pode ter consequências graves. “Eles precisam escolher entre permitir o nascimento de títulos em euros ou permitir que o BCE morra”, disse ele.

Leia também: Banco Central Europeu não vai impedir soluções de moedas privadas