Em um áudio vazado para a Motherboard, um funcionário da Coinbase, uma das maiores exchanges dos EUA, acusa a empresa de estar caminhando para a censura com suas novas “diretrizes apolíticas”.

Em uma publicação de setembro, o CEO da Coinbase Brian Armstrong disse que começaria a proibir discussões políticas e sociais entre os funcionários porque isso seria uma distração da missão da empresa.

Armstrong então reafirmou sua posição em uma reunião de outubro, de onde o áudio foi obtido e vazado. A reunião serviria como uma seção de perguntas e respostas para esclarecer a nova diretriz da Coinbase, além de oferecer um pacote de indenização para os funcionários que se sentiram “desconfortáveis”.

Os empregados da exchange também foram obrigados a apagar mensagens com teor político do Slack, um aplicativo de mensagens voltado para o ambiente de trabalho. A polêmica se deu principalmente por se tratar de uma empresa de criptomoedas, que buscam substituir o sistema bancário para um mundo mais livre.

Durante a reunião, Armstrong afirmou que havia uma “maioria silenciosa” na Coinbase que concordou com sua decisão, mas temeu represálias dos colegas. A liderança de Armstrong e Coinbase, no entanto, não conseguiu acalmar os temores de que esta política policializaria os funcionários se eles expressassem opiniões que não se alinhavam com Armstrong ou com esta “maioria silenciosa”.

Um ex-funcionário da Coinbase que deixou a empresa após a reunião e que pediu anonimato por medo de represálias da indústria disse que os trabalhadores temiam vigilância e censura.

Esses medos não são infundados. Emile Choi, diretora de operações da Coinbase, explicou que pelo menos dois funcionários foram solicitados a excluir as postagens do Slack, e que o chefe de RH L.J. Brock “procurou os funcionários de forma proativa para explicar por que suas postagens seriam retiradas. Ele teve uma conversa muito produtiva com os dois e eles entenderam o contexto”, disse ela.

Choi então explicou que o lugar para discussão política ou dissidência era em canais dedicados do Slack para “tópicos delicados”: “Embora você não possa tentar convencer as pessoas de que o Monstro de Espaguete Voador deve ser eleito presidente, você pode estabelecer um canal em que as pessoas interessadas em eleger o Monstro de Espaguete Voador podem compartilhar suas ideias.”

“Existe medo de monitoramento em todos os canais, incluindo os privados”, disse o ex-funcionário da Coinbase ao Motherboard. “O maior medo é que os funcionários sejam confrontados com o que dizem ou fazem em seus dispositivos de trabalho e pessoais – os sistemas de trabalho geralmente são em dispositivos pessoais. Isso já aconteceu quando os escritores de posts antigos do Slack foram confrontados pela liderança e pediram para deletar os posts.”

Os problemas vêm crescendo na Coinbase no ano passado, em 4 de junho foi feita uma reunião com toda a empresa logo após o assassinato de George Floyd pela polícia.

Durante esta, Armstrong resistiu à ideia de fazer uma declaração pública em apoio ao Black Lives Matter, mas voltou atrás após uma greve entre os funcionários e postou uma série de mensagens em apoio ao BLM no Twitter mais tarde naquele dia.

Avançando para o final de setembro, Armstrong anunciou que discussões políticas no trabalho não são aceitáveis, e qualquer pessoa “desconfortável” poderia sair. De acordo com a empresa, ela perdeu 60 funcionários, ou 5% de sua força de trabalho, como resultado dessa decisão.

Mas qual a sua opinião sobre a decisão da Coinbase? Deixe seu comentário abaixo.