Recentemente, a Forbes montou uma lista que ranqueia os melhores bancos de 2020. Dentre eles, a fintech brasileira Nubank é considerada o melhor “banco” no Brasil. Isso foi decidido por uma pesquisa com a Statista, que considerou as opiniões de mais de 40 mil clientes.

“Os bancos foram classificados quanto à satisfação geral e aos principais atributos como confiança, taxas, serviços digitais e consultoria financeira. Os melhores bancos em 23 países diferentes estão destacados abaixo. Aqui está uma introdução completa.”

Logo abaixo dele, os bancos Inter, Neon, PagBank e Next se encontram. O Banco do Brasil não se encontra na lista. Dos bancos físicos convencionais, o Itaú Unibanco aparece como melhor, mesmo que apareça em sexto lugar, abaixo de todos os outros citados acima.

O NuBank, fundado em 2013, foi uma startup pioneira das fintechs do Brasil. No ano seguinte, lançou um cartão de crédito sem taxa, e em 2017 criou um programa de pontos para clientes e a NuConta.

Além disso, o Nubank já chegou a um montante captado de US$ 1,1 bilhão, e foi avaliado em US$ 10,4 bilhões segundo relatório da Fisher, sendo a terceira startup brasileira a bater o “status de startup unicórnio”.

A fintech é um dos 12 unicórnios do país, conseguindo atingir o valor de mercado de US$ 1 bilhão em menos de 5 anos de existência.

O “banco” que pode quebrar outros bancos

Nubank foi considerado o “responsável por quebrar o oligopólio dos bancos legados” no país: “a introdução da internet e a introdução de smartphones criaram uma janela de oportunidade para nós”, disse o CEO David Velez.

“Mesmo como uma startup, poderíamos competir frente a frente com os grandes bancos. De repente, você não precisava de bilhões de dólares para construir agências bancárias e nem de centenas de milhões de dólares para comprar mainframes da IBM. Você poderia usar a Internet para adquirir clientes. Ele permite um modelo que tem custos fundamentalmente mais baixos e uma melhor experiência do usuário”.

Segundo a Forbes, ainda, Velez afirma que houve um grande aumento de clientes acima dos 90 anos na fintech. No último mês, mais de 300 clientes acima dos 90 anos se cadastraram, sendo que anteriormente ambas as faixas etárias eram consideradas as mais resilientes na ideia de abandonar os bancos convencionais.

Por fim, com quase 2500 funcionários, o Nubank chegou a contratar mais 100 pessoas durante a crise e foram o sexto maior banco, primeiro entre as fintechs, na distribuição do auxílio emergencial da Caixa, segundo o relatório da Fisher.

NOTA: Embora popularmente considerado como tal, o Nubank não se considera um “banco” propriamente dito, mas sim uma “empresa de tecnologia que oferece uma plataforma de serviços financeiros”.