Cointimes

Fundos de hedge estão apostando bilhões na quebra da Itália

apostando bilhões na quebra da Itália

Dados do S&P Market Intelligence indicam que investidores acumularam uma aposta de US $37 bilhões contra a dívida italiana. 

Os fundos de hedge estão apostando pesado contra os títulos italianos, investidores não apostam tão alto contra Roma desde 2008, visto que atualmente a Itália enfrenta incerteza política, uma crise energética e uma taxa de inflação que alcançou 8,4% em julho.

A economia da Itália tem sido volátil nos últimos tempos, pois a guerra entre a Ucrânia e a Rússia causou estragos no país europeu, que está lidando com uma crise energética significativa. 

Muitas pessoas estão especulando que a economia italiana só vai piorar, e os relatórios mostram que um grande número de investidores estão apontando milhões contra a dívida do país.

Os esquemas de empréstimo de títulos destacam como os investidores tomam emprestado o passivo italiano a fim de apostar que os valores diminuirão antes do vencimento da recompra da dívida.

Os dados do S&P Market Intelligence mostram que $37.20 bilhões de euros em títulos italianos foram emprestados até 23 de agosto. A soma dos títulos emprestados é a maior desde janeiro de 2008 durante a Grande Recessão. 

A Itália também continuou com as altas taxas de inflação, com maio registrando 7,3%, junho registrando 8,5%, e julho imprimindo 8,4%.

A aposta de US $37 bilhões sugere que os especuladores do mercado acreditam que Roma vai quebrar e que o choque financeiro se espalhará como um contágio pela Europa.

A Itália é tradicionalmente conhecida por ter uma economia forte, mas o país tem uma dependência do gás russo. O Fundo Monetário Internacional (FMI) advertiu no mês passado que a economia da Itália veria uma contração de 5% devido às tensões da Europa com a Rússia por causa da guerra na Ucrânia. 

A retração econômica da Itália está ocorrendo enquanto a Índia está ultrapassando o Reino Unido como a quinta maior economia do mundo.

Relatórios observaram em julho que a Itália e o primeiro-ministro do país, Mario Draghi, não fizeram o suficiente “para dar um pontapé inicial no crescimento.” Apesar da promessa de Draghi de salvar o euro, feita em julho de 2012. 

Holger Schmieding, um economista da Berenberg, disse: “Draghi está tentando, tem feito um pouco aqui e ali, mas nem eu nem o mercado estamos convencidos de que a tendência  de crescimento da Itália é forte o suficiente.”

Leia também:

Leia outros conteúdos...

© 2024 All Rights Reserved.