O banco HSBC começou a tomar medidas drásticas contra os manifestantes pro-democracia em Hong Kong.

++ Conheça o lado obscuro do Banco Safra

Segundo a mídia local, o HSBC fechou uma conta usada por apoiadores dos protestos em Hong Kong. Essa conta empresarial vinha coletando doações para uma organização sem fins lucrativos, chamada de Spark Alliance HK.

A Spark ajudava a cobrir custos jurídicos e médicos dos manifestantes.

Uma fonte interna do HSBC disse ao jornal SCMP que a atitude foi correta, pois “este cliente afirmou apenas que a conta era para fins comerciais. Mas, na realidade, está sendo usado como plataforma para captação de recursos. Isso não corresponde ao objetivo declarado da conta “.

Recusando-se a comentar um caso específico, um porta-voz do HSBC observou, no entanto, que o banco revisa regularmente as contas de seus clientes e acrescentou que:

“Se detectarmos atividades diferentes da finalidade declarada da conta ou informações ausentes, revisaremos proativamente todas as atividades, o que também pode resultar no fechamento da conta “.

Entretanto, os manifestantes alegam que o fechamento de conta só aconteceu devido a recente manifestação do presidente chinês Xi Jinping que prometeu “esmagar corpos e quebrar ossos” em HK.

Os protestos em Hong Kong

Os protestos em Hong começaram no início de 2019, quando uma lei proposta pelo governo local permitiria a extradição de cidadãos à China.

Do começo do ano até hoje os protestos escalaram e estão cada vez mais violentos. O governo chinês continua pressionando grandes bancos a fecharem contas de ativistas.

Enquanto isso, o Bitcoin bate recorde de volume em Hong Kong.

Veja também: Hong Kong respondeu ao governo chinês comprando Bitcoin como nunca