Anunciada nesta quarta-feira (14), a criação de quatro delegacias especializadas em combater crimes cibernéticos também deve buscar a resolução de crimes envolvendo bitcoin.

As novas delegacias farão parte da Divisão de Crimes Cibernéticos (DCCIBER), que também contará com Centro de Inteligência Cibernética e o Laboratório Técnico de Análises Cibernéticas. Segundo a Polícia Civil, a nova Divisão será “uma superestrutura contra os cibercriminosos“.

De acordo com publicação no Diário Oficial, o decreto do governador João Dória estabelece para a DCCIBER no primeiro artigo:

“I- Assistência Policial;

II- 1ª Delegacia de Polícia sobre Fraudes contra Instituições Financeiras praticadas por Meios Eletrônicos;

III- 2ª Delegacia de Polícia sobre Fraudes contra Instituições de Comércio Eletrônico praticadas por Meios Eletrônicos;

IV- 3ª Delegacia de Polícia sobre Violação de Dispositivos Eletrônicos e Redes de Dados;

V- 4ª Delegacia de Polícia de Lavagem e Ocultação de Ativos Ilícitos por Meios Eletrônicos

VI- Centro de Inteligência Cibernética – CIC;


VII- Laboratório Técnico de Análises Cibernéticas – Lab-TAC”

Ao mesmo tempo, Dória também determinou a extinção da 4ª Delegacia de Investigações sobre Fraudes Patrimoniais Praticadas por Meios Eletrônicos.

Segundo o G1, a Divisão de Crimes Cibernéticos terá sede no 16º andar do Palácio da Polícia Civil, no Centro de São Paulo.

Recorrentemente, é visto na mídia casos de crimes cibernéticos com criptomoedas, sejam eles relacionados a fraudes, golpes ou mesmo ransomwares com pedidos de resgate em bitcoin. E agora, se percebeu uma necessidade de uma estrutura mais robusta de combate ao crimes virtuais em São Paulo.

Mais detalhes sobre a DCCIBER serão divulgados ainda hoje (05/10) pela Polícia Civil do estado de São Paulo.

Leia também: Prefeitura no Rio Grande Sul é sequestrada por hackers que pedem bitcoin