Coingoback

IBM acaba de dar um grande passo à frente em relação às atuais tecnologias de componentes computacionais. Isso pode impactar positivamente a mineração de bitcoin e criptomoedas. A empresa lançou o primeiro chip de 2 nanômetros e diz que comprimiu 50 bilhões de transistores nesse chip do tamanho de uma unha.

Semicondutores são importantes para computadores, eletrodomésticos, dispositivos de comunicação, sistemas de transporte e também na mineração de bitcoins. O Cointimes te explica.

O diferencial do novo chip da IBM

A tecnologia do novo chip de 2 nm da IBM ajuda a evoluir o atual conhecimento da indústria de semicondutores. Além disso, ela traz mais desempenho e eficiência de energia para a crescente demanda desses componentes. 

Em 2018, a GMO Internet Grop também havia feito um upgrade nesses componentes para beneficiar a demanda específica de placas para mineração de criptoativos. Com o chip de 7 nm, dizia o Matoshi Kumagai presidente da GMO, já era possível reduzir o consumo de energia em comparação com as máquinas de mineração existentes com o mesmo desempenho e atingir um desempenho computacional de 10TH/s por chip. Ou seja, cada placa era capaz de minerar a uma projeção de 8 terahashes por segundo ou mais com um consumo de energia de apenas 300 watts.

Gráfico da eficiência do Bitcoin
Eficiência do hardware de mineração do bitcoin cresceu com os novos modelos | Fonte: iea.org

Agora, a IBM acredita que esses novos chips têm muito potencial. Eles podem quadruplicar a vida da bateria do celular, reduzir a pegada de carbono dos data centers, acelerar drasticamente o desempenho de laptops e contribuir para uma detecção mais rápida de objetos e tempo de reação em veículos autônomos.

fila de chip da ibm de nanofolha com 2 nm.
fila de dispositivos de nanofolha com 2 nm

Como um chip de 2 nm impacta na mineração de criptomoedas

O design e arquitetura dos chips vai ajudar os fabricantes de processadores a fornecer um aumento de desempenho de 45% com a mesma quantidade de energia dos atuais chips de 7 nm. Ou melhor, 75% de economia de energia usando os mesmos níveis de energia, de acordo com a IBM. 

Nós sabemos que para a verificações de transação no blockchain, uma grande quantidade de equipamentos estão ligados 24 horas por dia consumindo milhares de Kw de energia. O minerador que conseguir anexar novas transações nos blocos da rede recebe como recompensa: as taxas de transação e os novos bitcoins criados naquele momento. O custo elétrico acaba sendo grande neste processo. Então, quanto mais barato for, mais atrativo fica a competição pela mineração dos blocos.   

Para compreensão, nós preparamos um texto mais detalhado sobre o processo de mineração do bitcoin

As máquinas que mineram criptomoedas pelo mundo utilizam chips de 7 nm para o seu funcionamento. Atualmente o mercado é dominado pelas mineradoras ASIC (Circuitos Integrados de Aplicação Específica) desenvolvidas especialmente para este trabalho. Entretanto, por hora não temos como saber se os novos chips também serão usados para melhorar o desempenho dessas máquinas, provavelmente sim.

Chips ASIC usados no processo de mineração de Bitcoin
Chips ASIC usados no processo de mineração.

Contudo, sabemos que muitas criptomoedas utilizam mineração por CPU, elas seriam extremamente beneficiadas com o novo chip de 2 nm da IBM.


BitPreço, o maior marketplace da América Latina. Compare os preços das principais exchanges do Brasil e mundo, e compre Bitcoin, Ethereum e USDT pelo melhor preço sempre.

Crie sua conta grátis agora!