O vírus que começou na cidade de Wuhan, na China, alarmou as pessoas do mundo inteiro e abalou a economia deixando mais de 42 mil vítimas fatais.

Apesar disso, ainda há dúvidas sobre a necessidade ou efetividade de se manter em casa indefinidamente. Neste artigo procuramos comparar o COVID-19 com outras doenças infecciosas.

Letalidade: Coronavírus X outras doenças

Se dividirmos o número de mortos pelo número de casos confirmados da doença, encontramos uma taxa de letalidade de cerca de 4,9%. No entanto, essa é uma estimativa pouco confiável, por conta de diversos fatores.

Neil Ferguson, cientista responsável pela polêmica projeção do número de mortos, se atenta para o possível fato de vários dos infectados podem não apresentar sintomas.

Além de fatores como esses, a taxa pode mudar para níveis bem mais baixos ou bem mais altos dependendo da idade do indivíduo, ou presença de outras doenças.

De fato, Tedros Adhanom, presidente da OMS, respondeu que o novo coronavírus não é tão letal quanto outros coronavírus que já enfrentamos, como a Sars e a Mers.

Se você pegasse Sars durante o surto de 2003, a sua chance de morrer era de cerca de 10%. De 8 mil casos, cerca de 774 vieram a falecer.

Já a Mers foi muito mais letal, matando até 40% dos infectados, dependendo do local.

Porém, se compararmos com uma gripe comum, o covid-19 é 10 vezes mais mortal. Mas a grande preocupação do novo coronavírus não é a sua letalidade, o perigo é outro.

O colapso do sistema de saúde

Devido a conhecida curva de infectados, que todos os países estão procurando achatar com medidas extremas, tentar descobrir a gravidade do coronavírus agora pode ser precipitado.

O crescimento exponencial de doentes e mortos é o que preocupa os especialistas, pois a cada semana que passa, a doença parece ter aumentado sua gravidade.

Similarmente ao HIV, por exemplo, ela não precisa ser tão mortal para causar um enorme impacto negativo, pois se a vítima tiver outras doenças, ela se encontrará em grande risco.

Além disso, pela sua alta infecciosidade, mesmo que a grande maioria não precise ser hospitalizada, os casos graves são suficientes para lotar os leitos dos hospitais, o que levou ao número absurdo de morte na Itália.

Veja também: Idosos infectados na Itália serão deixados para morrer, diz jornal

Na falta de espaço nos hospitais, os médicos acabaram tendo que deixar idosos para morrer em casa, não só por coronavírus, mas por qualquer coisa.

Por fim, junte tudo isso com o fato de que os profissionais da saúde são os mais expostos ao vírus, o que levou o Hospital Sírio-Libanês a afastar 104 funcionários com o COVID-19.

E então qual seria a melhor solução para tentar conter a proliferação do vírus? O isolamento horizontal (todas as pessoas em casa), vertical (grupo de risco em casa) ou outra solução que impacte menos a economia? Deixe sua opinião nos comentários!