Enquanto a febre do DeFi está crescendo absurdamente, muitos acabam caindo na tentação de comprar tokens que já valorizaram bastante, o que pode ser arriscado. Por outro lado, quem está de fora acaba perdendo os interessantes juros que as plataformas descentralizadas de empréstimos estão oferecendo.

Mas isso pode estar cada vez mais perto de mudar já que as exchanges centralizadas estão buscando cada vez mais se aprofundar neste universo e facilitar as coisas para o usuário comum. Até agora, somente a OKEx e a Coinbase integraram os rendimentos com a stablecoin DAI, mas como noticiamos recentemente, a Huobi também começará a estudar o espaço DeFi.

Como funcionam os rendimentos do DeFi

Enquanto as finanças descentralizadas (DeFi) representam muito mais do que a possibilidade de tomar e conceder empréstimos em criptomoedas com a menor necessidade de confiança possível, essa é provavelmente a parte que mais está chamando atenção hoje em dia.

A DAI, por exemplo, é uma stablecoin que tem seu preço atrelado ao dólar, mas de uma forma descentralizada. Para adquiri-la, você pode “prender” ethers em um contrato inteligente e receberá o equivalente ao preço atual em dólares do ETH em DAI. E para receber os ethers de volta, deve-se pagar os DAI mais os juros do contrato.

Por outro lado, pode-se fornecer a liquidez em DAI para os tomadores de empréstimo e ficar recebendo juros. No entanto, os passos necessários para realizar tal ação são extremamente complicados, e é aí que as exchanges podem fornecer sua ajuda ao usuário comum.

Por que as exchanges deverão integrar DeFi em suas plataformas

Em uma recente publicação, Ryan Sean Adams contou a experiência de explicar para o seu pai, não familiarizado com tecnologia blockchain, a investir em DeFi pela plataforma Compound.

O objetivo foi cumprido em cerca de duas horas de explicação e 11 passos, sendo eles:

  1. Enviar dólares americanos para uma exchange
  2. Proteger sua conta com um segundo fator de autenticação (2FA)
  3. Trocar USD por uma stablecoin
  4. Trocar parte das stablecoins por ETH
  5. Instalar a carteira Metamask e proteger sua chave privada
  6. Enviar ETH e a stablecoin para Metamask
  7. Aprender a monitorar transações no Etherscan
  8. Conectar a Metamask ao Compound
  9. Habilitar a stablecoin no Compound
  10. Fornecer a stablecoin para o Compound
  11. Finalmente, começar a receber juros

Porém, essa é uma tarefa difícil e complicada mesmo para quem já é acostumado a simplesmente manusear carteiras de bitcoin, receber e enviar transações.

Mesmo assim, até o momento, mais de 4 bilhões de dólares estão “presos” em contratos inteligentes em plataformas descentralizadas de finanças. Isso significa que uma quantidade enorme de pessoas está aprendendo por conta própria a realizar esses passos porque acreditam que vale a pena.

Isso é potencialmente um risco às exchanges centralizadas, pois significa que elas já perderam US$ 4 bilhões que poderiam estar adicionando algum valor para as corretoras. Ao simplificar os passos, as exchanges estão permitindo as vantagens da DeFi a um número muito maior de pessoas, e ainda ganham com isso.