Uma palavra que possivelmente você já ouviu falar, ou mesmo irá ouvir a partir de agora, é “Be Your Own Bank”, ou em português “Seja seu próprio Banco”.

Proposto por Satoshi Nakamoto em seu White Paper, logo após a bolha imobiliária de 2008 (veja mais aqui), veio como um divisor de águas no que tange à retirada de poder privado/governamental para uma autonomia financeira, isso é o Bitcoin.

Infelizmente, durante muito tempo, as formas mais práticas para o armazenamento do Bitcoin não eram assim tão práticas, e a medida que o Bitcoin entrava no mainstream os problemas passaram a ser maiores, o que resultou em cerca de 2.78 milhões de moedas perdidas para sempre. Por que para sempre?

Uma vez que você não tem mais a posse das suas chaves privadas, torna-se impossível ter acesso aos seus fundos.

Felizmente, temos a tecnologia como nossa aliada, e hoje no mercado podemos contar com meios práticos e seguros para armazenar as criptomoedas (Bitcoins, Altcoins e Tokens ERC20).

Um dos meios mais seguros atualmente para guardar criptomoedas são as Hardwallet’s (carteira física), sendo a mais famosa e a mais vendida a Ledger Nano S da empresa Ledger.]

https://cointimes.com.br/as-melhores-carteiras-de-bitcoin/

Mas porque esses dispositivos são tão seguros?

Falando especificamente da Ledger, a mesma usa 2 elementos/chips de segurança exclusivos, um dos chips possui conexão com o mundo externo (online) e o outro chip (o mesmo usado pelos Passaportes e cartões de crédito) e mais importante, tem a função de assinar as transações com a sua chave privada sem qualquer comunicação com o mundo externo (offline). Outra nomenclatura usada para esses dispositivos que você pode encontrar por aí é “cold wallet”, pois como dito tudo é mantido de forma offline.

O dispositivo é controlado por apenas 2 botões e todas as ações podem ser verificadas em sua tela. E o aplicativo complementar, Ledger Live, permite que você gerencie suas transações como enviar e receber facilmente, muito semelhante com as transações bancárias.

Ok, tecnicamente aparenta ser seguro, mas e na prática?

Na prática para o usuário isso significa segurança, ou seja, você terá a certeza de que acordará no dia seguinte e os seus fundos estarão sempre seguros.

Muitos me perguntam, posso ser hackeado mesmo com a Ledger?

De acordo com a empresa Ledger tal fato é impossível visto que o chip principal não tem comunicação externa, de qualquer forma suas criptomoedas só sairão do dispositivo após o apertar de um dos botões físicos no aparelho, impossibilitando qualquer agente externo, pois isso somente é possível de posse da sua Ledger.

Ok, estou me convencendo, mas o que acontece se o dispositivo parar de funcionar?

Na inicialização da sua Ledger você receberá um conjunto de 24 palavras de segurança, essas palavras devem ser anotadas no Recovery Sheet que vai junto à sua Ledger, ou se preferir, ao invés de usar um papel você pode salvar em um dispositivo “indestrutível”, que é uma carteira de aço que suporta altas temperaturas, corrosão por água salgada e até mesmo radiação. Sobre esse aparelho falaremos em outra oportunidade.

De posse dessas palavras você tem a liberdade de importar para outras Hardwallet’s ou mesmo Software Wallets, aquelas usadas nos celulares ou mesmo no computador, de qualquer forma toda Ledger adquirida com o Revendedor Oficial tem garantia de 2 (dois) anos.

É importante frisar que nunca qualquer fundo foi roubado de uma Hardwallet, comprovadamente, um método seguro até o momento.

Outro assunto interessante e que poucas pessoas sabem sobre o Ledger Nano S, é que ele não só protege as suas criptomoedas como também a sua vida digital através da função FIDO e Hello, que também serão alvos de publicações futuras.

Por último, porém importante, de nada valem as dicas acima, se você abrir mão da sua segurança adquirindo esse produto com terceiros. Apenas compre direto com o fabricante ou com uma revenda oficial.