Breaking News  
Quem são os gamers? – Entrevista Rafael Chagas Games

Quem são os gamers? – Entrevista Rafael Chagas

O gamer Rafael Chagas nos contou a respeito da sua relação com o mercado de games.

Rafael Lemos
Rafael Lemos

Quem são as pessoas que vivem o mercado de games? Eles são conhecidos como gamers. Para muitos, o potencial desse setor é enorme principalmente porque boa parte do público é formado pela geração Z. Pensando nisso, resolvi trazer uma entrevista com o Rafael Chagas, que é carioca, tem 14 anos, e é fascinado pelo universo gamer.

O intuito da entrevista é entender um pouco mais como essa nova geração consome o mercado de jogos eletrônicos – Que tipo de conteúdo consome, quantas horas, opiniões. Acredito que esse tipo de material pode ser bastante relevante para as pessoas que desejam empreender neste mercado e conhecer melhor o público-alvo destes negócios.

Recentemente o assunto saiu na Globo, no programa “Conversa com Bial”. O apresentador entrevistou Gabriel ‘Fallen’ Toledo (jogador profissional de CS:GO) e ‘Rafifa’ (jogador profissional de Fifa).

Entrevista com gamers – Rafael Chagas

Como você começou a jogar? Quem te apresentou?
Rafa:  Eu gostava muito de ver vídeo no YouTube. Vídeos no YouTube sobre games sempre me atraiu bastante, até que um dia pedi ao meu pai um computador de presente para começar a jogar. Foi aí que comecei com os games.

Você começou a jogar algum jogo específico?
Rafa: Comecei com o CS:GO.

Que tipo de conteúdo você costuma consumir no YouTube? Só games?
Rafa: Eu consumo bastante conteúdo no YouTube. Gosto bastante de canais de comédia, como Porta dos Fundos, mas a grande maioria é conteúdo de games mesmo. Costumo ver os canais do Zangado, GameplayRJ e Davy Jones.

E streams? Você costuma acessar plataformas como Twitch?
Rafa: Eu vejo bastante Twitch. Eu gosto das lives do Alanzoka, Cellbit, Felps. E também assisto alguns streamers internacionais – meu favorito é o Ninja.

Quantas horas por dia, em média, você se dedica ao mercado de games? Entre jogar, conversar sobre o assunto e consumir conteúdo sobre o assunto.
Rafa: Eu acho que umas 6 horas por dia. Isso quando eu não estou de férias. Geralmente quando estou de férias a quantidade de horas aumenta.

E com relação ao cenário competitivo. Você acompanha as competições de algum game?
Rafa: Acompanho sim. Sigo o cenário competitivo de CS:GO e Overwatch. Sempre que tem Overwatch League eu tiro uma parte do meu dia para poder assistir. A mesma coisa com CS:GO. Inclusive no evento da GameXP, que aconteceu este mês no Rio de Janeiro, eu consegui acompanhar dois torneios de CS:GO e um campeonato de Rainbow Six. Gosto muito.

gamers - Rafael Chagas na GameXP
Rafa na GameXP. Evento aconteceu no Rio de Janeiro e foi palco de diversos campeonatos.

E o major (campeonato mundial) de CS:GO que está acontecendo nesses dias. Você tem acompanhado?
Rafa: Claro. Não perco por nada.

Você costuma adquirir algum item pago nesses jogos?
Rafa: Antes eu tinha o hábito de comprar muitas skins (serviço pago em vários jogos que permitem o jogador personalizar alguma arma, etc) de Counter-Strike, Fornite. Hoje em dia não tenho mais esse hábito.

E com relação aos seus amigos, vocês costumam conversar sobre games ou jogam juntos?
Rafa: A gente joga junto bastante. Nós temos a esperança de construir nosso próprio time de CS:GO.

Você já pensou em algum momento ser profissional no mercado de games? Jogador profissional ou streamer?
Rafa: Ano passado eu fui chamado para jogar profissionalmente no time do Santos de Overwatch, mas não pude ir. Atualmente meu sonho e dos meus amigos é montar um time profissional de CS:GO.

Overwatch e CS:GO. Então você não restringe sua vontade de ser pró-player a apenas um jogo?
Rafa: Isso. Eu quero ser um pró-player de games. Pode ser o game que for e eu vou me dedicar a ele.

Como teus pais reagem a esta tua relação com os games?
Rafa: Eles vêem mais essa minha relação com os games como uma forma de entretenimento mesmo. Mas eu acredito que futuramente, após eu me formar, eles podem conseguir me ajudar a virar um pró-player. Hoje em dia eles levam mais como uma brincadeira.

Na sua opinião, eSports é esporte?
Rafa: É sim. As pessoas fazem a vida nisso. Eu não entendo como tem muita gente que ainda não entende.

Para você, como espectador, tem uma diferença entre assistir uma live streaming e vídeos no YouTube?
Rafa: A live me atrai mais, particularmente. Além de você estar vendo o streamer ali ao vivo, tem também o chat. Para mim é a melhor parte da live. As pessoas ficam comentando e participando com você. Quando acontece alguma coisa engraçada, todo mundo interage junto. Eu prefiro assistir as streams.

Hoje em dia você é subscriber (assinatura paga para ajudar o streamer) de alguma stream?
Rafa: Eu sou subscriber de apenas um canal na Twitch, que é o do Cellbit. O que eu acho muito interessante é poder ajudar o streamer diretamente. A grande maioria dos meus amigos também são subscribers de alguma stream.

Gosta do mercado de games ou conhece alguém que tem interesse pelo tema? Então compartilha! Não esquece de seguir as redes sociais do Cointimes – FacebookInstagram e Twitter.

Rafael Lemos
Rafael Lemos

Estudante de Economia, com grande interesse por finanças. Dedico boa parte do meu tempo a projetos relacionados à Criptoeconomia. Atualmente trabalho na Foxbit, na produção de conteúdo.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.