O que é o Brexit?

O Brexit foi um plebiscito realizado no Reino Unido no qual a população tinha de decidir se deveriam ficar na União Europeia (um bloco de livre comércio e trânsito de pessoas na Europa, cujo principais países do continente fazem parte), ou se deveriam romper com o bloco.

Em 2016, a maioria da população decidiu por romper com a União Europeia, fazendo com que os países do Reino Unido tenham que sair do bloco europeu em até 2 anos.

Consequências do Brexit

Escassez de alimentos. Grande perturbação ao comércio. Pelo menos US $ 17 bilhões em novos custos para os negócios. Grande problema para pequenas empresas.

Estas são as consequências potenciais de um Brexit desordenado, de acordo com uma análise publicada na terça-feira pelo governo do Reino Unido, que conclui que o país não está nem um pouco pronto para deixar a União Europeia em 29 de março sem um acordo transitório.

Faltando pouco mais de um mês, o governo ainda carece de apoio parlamentar para um acordo de divórcio que proteja o comércio e outros laços da UE por quase dois anos depois do Brexit, enquanto um acordo de prazo mais longo é acordado.

Em sua análise, o governo admite que está no caminho certo para completar apenas dois terços de seus projetos de preparação “mais críticos”. Muitas empresas e indivíduos estão ainda menos preparados para uma ruptura abrupta com a União Europeia no próximo mês.

“Há poucas evidências de que as empresas estão se preparando seriamente para um cenário sem acordo, e as evidências indicam que a prontidão das pequenas e médias empresas em particular é baixa”, disse o governo.

O risco de a Grã-Bretanha romper abruptamente com a União Europeia diminuiu um pouco na terça-feira quando a primeira-ministra Theresa May abriu a porta para adiar o Brexit se os legisladores do Reino Unido votarem contra o acordo de saída que ela negociou.

Mas um Brexit desordenado ainda não foi descartado, e a análise do governo mostra o quão caro seria.

Relatório do governo indica as consequências

O relatório alerta sobre as consequências, incluindo:

(1) Escassez de itens alimentares específicos, especialmente frutas e legumes frescos;

(2) Aumento do preço de alguns alimentos;

(3) £ 13 bilhões (US $ 17 bilhões) em novos custos administrativos para as empresas;

(4) Tarifas da UE de cerca de 70% sobre a carne bovina e 45% sobre as exportações de carne de cordeiro;

(5) A perda de acordos de livre comércio com países como Japão e Turquia;

(6) Perda de acesso ao mercado e novas barreiras comerciais para o setor de serviços do Reino Unido;

(7) Fluxo reduzido de mercadorias no Canal da Mancha em Dover.

Grupos de lobistas empresariais pediam mais clareza nos termos do divórcio e do futuro relacionamento comercial da Grã-Bretanha com a União Europeia desde que o país votou pelo Brexit em junho de 2016.

Nas últimas semanas, seu foco mudou para evitar uma separação desordenada a todo custo.

Cair fora da União Européia resultaria em novos custos e barreiras comerciais para as empresas na Grã-Bretanha. Cadeias de fornecimento atoladas colocariam as empresas de manufatura em uma posição especialmente difícil.

Desastre para a economia do Reino Unido

As Câmaras Britânicas de Comércio resumem a opinião de seus membros da seguinte forma: um Brexit desordenado, advertem, seria “um desastre para a economia do Reino Unido, para os negócios e para a subsistência individual”.

Avisos dos negócios em grande parte coincidem com os estabelecidos pelo governo.

O McDonald’s (MCD) e o KFC (YUM) uniram-se aos supermercados do Reino Unido para alertar que o colapso da União Européia resultaria em interrupções “significativas” em suas cadeias de suprimento.

As empresas disseram que estão armazenando mercadorias quando possível, mas “todo o armazenamento congelado e refrigerado já está sendo usado e há muito pouco espaço de armazenamento disponível”.

As montadoras já estão cancelando investimentos planejados e se preparando para manter algumas fábricas ociosas.

Airbus (EADSF) diz que seria forçado a redirecionar os investimentos futuros fora do Reino Unido. Os bancos e outras empresas financeiras estão transferindo pelo menos £ 800 bilhões (US $ 1 trilhão) de ativos para fora do país.

A análise do governo conclui que agora é tarde demais para as empresas se prepararem totalmente.

“O curto período de tempo que resta até 29 de março de 2019 não permite que o governo mitigue unilateralmente os efeitos do não acordo”, conclui o relatório.

“Mesmo quando é possível tomar medidas unilaterais, a falta de preparação por parte de empresas e indivíduos provavelmente aumentará a interrupção experimentada em um cenário de não negociação”, acrescenta.

Via: CNN Business

Você gostou desse conteúdo? Nós temos muito mais! Siga e compartilhe a página do Cointimes para se manter atualizado com os conteúdos mais relevantes. Estamos em todas as mídias sociais também: FacebookTwitterInstagram.