O perfil oficial do Telegram no Twitter foi questionado sobre a possibilidade de hack nos vazamentos das conversas divulgadas pelo Intercept e a resposta foi clara “não há evidências de qualquer hack” no Telegram.

A empresa ainda afirmou que é mais provável que um malware foi usado para roubar as informações ou os usuários das conversas não ativaram a autenticação em dois fatores

Ou seja, o Telegram não foi hackeado e sim o celular de um dos envolvidos na conversa. É bem possível que o smartphone hackeado tenha sido o de Deltan Dallagnou, pois ele está envolvido em todos os diálogos expostos pelo Intercept.

Como o Telegram não tem criptografia por padrão em todos os seus chats, apenas nos chats secretos, se Deltan conversou nos chats sem criptografia é fácil recuperar os dados apenas clonando o chip. O não uso de um segundo fator de autenticação facilitaria ainda mais o trabalho do hacker.

Abaixo temos um vídeo que mostra a possível falha explorada pelos hackers para ter acesso aos conteúdos do chat: