Os investidores em Bitcoins estão cada vez mais submersos, já que 1 em cada 4 moedas são mantidas com perdas não realizadas, de acordo com o mais recente relatório on-chain da Glassnode. 

Neste profundo oceano onde nadam as baleias e as sardinhas, alguns dados foram escavados pela empresa de análise. Eles mostraram que o suprimento não gasto dos mineradores de Bitcoin está atualmente situado apenas 500 BTC abaixo do seu recorde histórico; entenda. 

Preço do Bitcoin (BTC) – Fonte: CoinGoLive.com

Duas semanas intensas 

Desde que o preço do ativo atingiu US$ 51.500 no início de dezembro, duas semanas de lateralização e retração foram vividas intensamente pelos investidores de Bitcoin. Muitos traders foram liquidados e o “medo extremo” acabou tomando conta do sentimento de mercado. 

Leia também: Banho de sangue gerou prejuízo de quase US$ 3 bilhões

Passfolio

“Um comportamento comum quando os preços atingem novos máximos é que moedas lucrativas sejam gastas para fortalecer o mercado. Os detentores de preços mais baixos querem se pagar pelo esforço de esperar e assumir riscos, e isso resulta em realização de lucros e movimentação de moedas mais antigas”, explica a Glassnode.

Contudo, grande parte dos gastos em moeda em curso parece ser de moedas compradas nos últimos 3 a 6 meses, ao invés de detentores de longo prazo.

Segundo a empresa: “Com o entendimento de que os gastos com moedas antigas estão diminuindo, e os detentores de longo prazo estão principalmente à margem, podemos intuir que a atividade recente com moedas está amplamente contida no grupo de detentores de curto prazo.”

Se ainda observarmos a distribuição de preços não realizados, que mostra todos os BTC em circulação por seu último preço negociado, veremos que 24,6% de toda a oferta está acima do preço atual, em torno de US$ 47.000, o que significa que 1 em cada 4 BTC está submerso – são moedas guardadas com perdas não realizadas. 

Mineradores mãos de diamante 

Entre todos os agentes da rede Bitcoin, os mineradores não têm a reputação de serem “mãos de diamante” já que desde o início eles têm sido uma fonte consistente de pressão vendedora. Porém, talvez sua reputação precise de uma revisão!

Leia também: Mãos de diamante: Holders detém 80% da oferta de Bitcoin

“Nos últimos dois anos, o comportamento dos mineradores passou por uma transformação”, acrescentou a Glassnode no relatório. “O minerador típico em 2021 é mais resistente do que suas gerações anteriores”.

Em dois anos, chips mais novos e mais poderosos aumentaram a eficiência operacional das máquinas de mineração, e ainda, a expansão das mineradoras para a América do Norte deu a muitas delas acesso ao capital operacional e patrimônio líquido corporativo.

Se antes era comum presenciar a venda dos satoshis pelos mineradores, desde 2019 que os mineiros estão agora depositando mais suprimentos cunhados em seus tesouros do que antes. A Glassnode salientou que: “O suprimento não gasto do minerador do Bitcoin está atualmente situado apenas 500 BTC abaixo do ATH”.

O suprimento não gasto do minerador de Bitcoin está atualmente situado apenas 500 BTC abaixo do ATH – Fonte: Glassnode 

Portanto, se os mineiros evoluírem para HODLers, um grupo que era naturalmente incentivado a gastar, adquirir novos Bitcoins no futuro pode se tornar extremamente difícil.


Leia o relatório completo aqui e receba as próximas análises on-chain no grupo do Telegram do Cointimes.

Passfolio