A proposta da Reforma da Previdência conta com 201 parlamentares dispostos a votar pela sua aprovação. São 52 deputados a mais do que era possível identificar em março, o que representa um aumento de 34,9% em um mês.

A configuração atual é a seguinte: 98 deputados são completamente favoráveis à reforma da previdência, outros 103 apoiam parcialmente o texto. Isso significa que eles defendem a maior parte da proposta, embora tenham restrições a alguns pontos.

O maior crescimento se deu entre aqueles que apoiam parcialmente a reforma. O número passou de 54 deputados para 103 em um mês. São 98 parlamentares que apoiam integralmente o texto, 3 a mais do que na segunda semana de março.

Diante desses números, é seguro afirmar que houve progresso no crescimento do apoio à reforma. O número de deputados indecisos vem em declínio, são 172 nomes. Em março eram 220 parlamentares.

A rejeição da reforma também diminuiu: o número de opositores também se manteve estável em 1 mês, oscilando entre 143 e 140 nomes.

Para ser aprovado, o texto da reforma precisa receber 2/3 dos votos favoráveis, ou seja, 308 deputados precisam votar a favor. Depois de passar pelos Deputados, a reforma vai para o Senado, onde precisa de 3/5 de um total de 81 votos.

Segundo o posicionamento dos deputados, o texto encontra maior resistência em dois assuntos: Benefício de Prestação Continuada (BPC) e para a aposentadoria rural. Outro ponto também encontrou bastante resistência: o regime de capitalização.

Os investidores aguardam ansiosamente uma definição da reforma. Depois do Ibovespa chegar aos 100 mil pontos, o índice apresentou uma correção e caiu mais de 7%, estando cotado agora em 93 mil pontos. O dólar também subiu mais de 4%.

Infomação da Valor.